EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Europa e Japão preparam os voos hipersónicos do futuro

Europa e Japão preparam os voos hipersónicos do futuro
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

As viagens de avião são atualmente seguras e confortáveis. Mas poderemos viajar ainda mais depressa? Os últimos avanços da engenharia sugerem que é

As viagens de avião são atualmente seguras e confortáveis. Mas poderemos viajar ainda mais depressa? Os últimos avanços da engenharia sugerem que é possível duplicar a velocidade de voo várias vezes. São os aviões do futuro.

Da ergonomia e da escolha dos motores e combustível até ao impacto ambiental e à viabilidade económica, um projeto de investigação europeia, em cooperação com o Japão, estuda todos os aspetos de possíveis voos de passageiros a uma velocidade sete vezes superior à velocidade do som.

“O objetivo de um avião de alta velocidade em relação aos aparelhos atuais é a redução do tempo de viagem, de três horas, por exemplo, numa ligação entre a Europa e o Japão, explica Emmanuel Blanvillain, coordenador do projeto Hikari, na Airbus.

Os aviões de alta velocidade requerem novas tecnologias de propulsão, novos materiais e um design completamente diferente e é isso que está a ser desenvolvido em conjunto pela equipa de investigadores e parceiros industriais da Europa e do Japão.

Patrick Gruhn, engenheiro e investigador na aerodinâmica da alta velocidade, diz, no entanto, que há coisas que nunca mudam: “Pode-se imaginar outras formas, mas vão sempre ter coisas em comum como ângulos pronunciados, designs muito aerodinâmicos porque de outra forma a pressão do ar é muito forte e o sistema de propulsão não terá força suficiente para acelerar o veículo”.

Num túnel de 60 metros são testados modelos à escala. É aqui que a pressão extrema do ar que ocorre num voo supersónico pode ser fielmente reproduzida.

O investigador Klaus Hannemann, explica como funciona: “Isto é um túnel de vento onde podemos provocar fluxos de ar extremamente rápidos, por isso podemos simular a entrada de veículos como um vaivém espacial ou voos de veículos hipersónicos a oito vezes a velocidade do som, a 30 km de altitude.

Está tudo pronto para iniciar a experiência: Instrumentos muito precisos vão recolher as medidas aerodinâmicas numa fração de segundos. Mas como vão sentir-se os passageiros num avião que voa várias vezes mais rápido que o habitual?

“Não vão sentir grande diferença relativamente a um voo normal – só vai mudar a questão do tempo. Estamos a falar de tempos de aceleração de 20 a 30 minutos. Mas podem ser voos relaxantes, pode-se aproveitar os periodos de aceleração sabendo que se cruza a barreira do som ou ir ainda mais além”, diz Johan Steelant, especialista em propulsão e mecânica dos fluídos.

A maior parte dos modelos coloca os passageiros ao lado dos depósitos de combustível, que ocupam muito espaço. Os investigadores consideram a hipótese de utilizarem o hidrogénio líquido: não produz emissões de CO2 e pode ser utilizado como refrigerador.

O investigador da agência japonesa de exploração do espaço diz que é preciso desenvolver um sistema de propulsão que permita uma descolagem em match 5. (5 vezes a velocidade do som). “Voar a match 5 significa um enorme aquecimento dos motores e a nossa solução é reduzir a temperatura, refrigerando o ar quente utilizando um combustível muito frio”, explica.

Num outro túnel de vento, os investigadores testam diversos tipos de cerâmicas que possam suportar temperaturas extremas. Estes materiais poderão proteger a estrutura do avião supersónico que será submetido a uma pressão de ar de milhares de graus Celsius”.

“O objetivo é limitar as zonas quentes, de forma a que o nível de calor para os passageiros seja o mesmo de um voo normal”, revela Bukard Esser, outro engenheiro especializado da mecânica dos fluídos

Mas comprar bilhete para um destes voos pode demorar ainda duas ou três décadas:

“O horizonte que nos fixámos para desenvolver um avião comercial é 2040-2050, dependendo do avanço tecnológico”, remata o coordenador do projeto, Emmanuel Blanvillain.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Cientistas voltam atrás no tempo para salvar ecossistemas marinhos

Robô europeu promete mais competitividade ao setor da construção

Terapia experimental que mata cancro da mama sem afetar outras partes do corpo vence prémio europeu