O mundo dos carros elétricos: Protótipos revolucionários

O mundo dos carros elétricos: Protótipos revolucionários
De  Ricardo Figueira com Julián López Gómez
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Os carros elétricos prometem revolucionar as estradas da Europa e do mundo. Saiba o que está a ser feito pela comunidade científica.

Os veículos elétricos são uma realidade. Os cientistas estão agora a explorar novos horizontes para os tornar mais seguros, mais autónomos e mais baratos.

Não gasta gasolina… e ainda cozinha para si

Para começar, um veículo elétrico que, segundo os criadores, foi desenhado para agradar a todos os gostos. Não só porque os painéis solares alimentam as baterias, mas também porque este carro é capaz de alimentar os passageiros, com micro-ondas e placas de cozinha em vez de bagagem, na parte de trás do carro.

Os cientistas estão a fazer uma experiência original com este protótipo, desenvolvido num laboratório em Itália: “É um carro-restaurante elétrico. Queremos mostrar como, apenas usando energia fotovoltaica, podemos não só conduzi-lo, como alimentar a cozinha e poder cozinhar de forma ecológica”, explica Pietro Perlo, presidente da IFEVS, empresa que desenvolveu o protótipo.

O carro foi desenhado por cientistas de um projeto europeu de pesquisa, destinado a explorar novas formas inovadoras de produzir veículos urbanos modulares, ligeiros e elétricos. Este pequeno restaurante ambulante faz parte de um jogo que também inclui pickups, carrinhas ou mesmo táxis.

Estes carros modulares foram desenhados com elementos simples, para simplificar a montagem e reduzir os custos. Mas têm de ser tão seguros como qualquer outro veículo no mercado. Por isso, os cientistas viraram-se para novas soluções: “Estamos a falar de carros muito pequenos, que por isso têm muito menos espaço para absorver energia. Decidimos usar um aço especial, elástico, muito inovador. A vantagem é que este aço absorve grandes quantidades de energia”, diz Javier Romo García, engenheiro mecânico que trabalha no projeto.

Detalhes como a visibilidade, a capacidade de manobras ou as questões informáticas são estudados a fundo nestes laboratórios. Entre um e outro teste de validação, os pesquisadores dizem que estão agora prontos para o próximo grande passo. Pietro Perlo promete uma forma de fabrico revolucionária: “A nossa ideia é ter um fabrico feito por medida. Diga-nos onde quer produzir os carros, nós vamos com os nossos camiões com contentores e com robôs prontos a fabricar o carro. Em poucos dias fica pronto a poder fabricar carros elétricos fiáveis e eficientes. Veículos que são, na maior parte dos casos, alimentados exclusivamente com energias renováveis”.

Os pesquisadores esperam que estes veículos modulares possam estar prontos a ser fabricados em menos de dois anos.

Segurança, prioridade máxima

Como garantir a segurança e a fiabilidade técnica destes carros, existentes ou futuros, e dos pontos de recarga? Tudo isso são questões às quais os cientistas tentam responder neste laboratório sofisticado no norte de Itália. O laboratório inclui uma instalação para testes de veículos elétricos e híbridos, em que as temperaturas variam dos -30 aos 50 graus centígrados, com humidade controlada.

Os pesquisadores podem assim ter informações sobre o desempenho do carro e eficiência em diferentes ciclos de condução e condições climáticas, incluindo o impacto do aquecimento, da ventilação e do ar condicionado. Mas não só: “Medimos a informação sobre os dados elétricos e sobre o rácio entre emissões e consumo. Obtemos também informações sobre o consumo de eletricidade do carro e o comportamento da bateria”, explica Germana Trentadue, engenheira de telecomunicações do “Centro de Pesquisas Conjuntas”:
https://ec.europa.eu/jrc/en/research-topic/interoperability-and-e-mobility (JRC), em Itália.

Os laboratórios incluem uma câmara desenhada para analisar as emissões eletromagnéticas geradas pelos carros elétricos durante a aceleração, a condução e as travagens.

Os pesquisadores usam antenas e recetores para medir as potenciais interferências com as frequências de comunicação. Podem também testar a imunidade dos veículos elétricos contra os campos magnéticos e a eletricidade externa: “A eletromobilidade é um campo da pesquisa ainda muito jovem. Envolve equipamentos técnicos para dar resposta a certos medos e métodos para afastar problemas. Por exemplo, os campos de baixas frequências nas zonas de carregamento podem colocar problemas aos pacientes com pacemaker e esses são problemas que queremos excluir desde o início”, explica Harald Scholz, coordenador de pesquisas no JRC.

Como fazer 500 km sem recarregar

Ecológicos e mais sofisticados, os veículos elétricos fazem muita gente sonhar. A falta de autonomia é um desafio e a maior parte dos veículos no mercado tem uma autonomia limitada. É um desafio a que alguns cientistas europeus tentam responder com este atrelado, o EP Tender.

Os pesquisadores desenvolveram um gerador portátil, instalado num pequeno atrelado com duas rodas. Pode ser programado com uma aplicação móvel. O gerador funciona a gasolina. Graças a ele, os carros elétricos vão poder andar mais tempo sem precisar de recarregar: “Se conduzimos a 100 quilómetros/hora na autoestrada, um carro elétrico médio dá 100 quilómetros de autonomia. Com o nosso protótipo, é possível conduzir 500 quilómetros. Então enchemos o depósito e podemos continuar a conduzir”, explica Jean-Baptiste Segard, presidente da empresa que desenvolveu este aparelho.

Esta pequena empresa francesa já produziu as primeiras unidades. Os pesquisadores dizem que o produto está pronto a ser produzido em série, depois de muitos desafios estarem ultrapassados.

Os criadores do atrelado estão já a trabalhar num modelo de negócios, baseado num sistema de aluguer: “Não planeamos produzir um atrelado para cada veículo elétrico existente. Não queremos juntar um motor a cada veículo elétrico. Talvez venha a haver um atrelado para cada 10 ou 20 carros elétricos. Aí o cliente aluga quando precisa de mais autonomia”, explica Jean-Baptiste Segard.

Este produto pode estar nas estradas europeias daqui a menos de três anos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Cientistas voltam atrás no tempo para salvar ecossistemas marinhos

Robô europeu promete mais competitividade ao setor da construção

Terapia experimental que mata cancro da mama sem afetar outras partes do corpo vence prémio europeu