EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Inteligência artificial ao lado dos bebés prematuros

Em parceria com The European Commission
Inteligência artificial ao lado dos bebés prematuros
Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  Cyril Fourneris
Partilhe esta notícia
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Um projeto de investigação europeu combina a inteligência artificial com a neonatologia

O neonatologista francês Patrick Pladys lidera o projeto de investigação europeu DigiNew-B. O objetivo dos investigadores é detetar infeções nos recém-nascidos prematuros utilizando aprendizagem profunda e técnicas de inteligência artificial. Patrick Pladys explicou à Euronews de que forma este novo mecanismo pode salvar vidas de bebés

*Esta entrevista foi realizada antes do surto da epidemia provocada pelo coronavírus*

"Porquê a inteligência artificial? Porque estamos a lidar com um problema complexo. O clínico é normalmente capaz de responder a 2 ou 3 sinais que são anormais e dizer "este bebé está infetado”. Com um bebé prematuro é mais complicado porque os sinais são diversos e discretos.  O que observamos pode ser devido a algo que não seja a infeção. Para resolver este problema precisamos da ajuda da inteligência artificial, porque ela permite-nos analisar problemas complexos, ou seja, integrar todo um conjunto de parâmetros no processo de tomada de decisão".

"Em primeiro lugar, tentamos ser “não invasivos”, tentamos não intervir diretamente sobre a criança e utilizar os dados que estão disponíveis nos monitores, como a frequência cardíaca e respiratória e a oxigenação. Temos também acesso aos dados clínicos que captamos em vídeo. E depois temos os dados de observação da enfermeira. Reunimos todos os dados e integramos muitos dos bebés no nosso estudo para que possamos identificar os que estão em risco de infeção e aqueles que não estão. Se projetarmos uma criança nestes testes, ao longo do tempo ela terá uma probabilidade de não ser infetada e, em seguida, de ser infetada. A uma certa altura, o sistema dará ao clínico um alerta para que ele possa decidir se deve começar o tratamento".

"A evolução em curso mistura o progresso tecnológico com o progresso humano. Os dois não são opostos, pelo contrário. Penso que graças à assistência de diagnóstico libertamos tempo para os sistemas humanos e de relacionamento. A medicina está constantemente a avançar nestes dois aspetos. Existem avanços tecnológicos e, ao mesmo tempo, na neonatalogia, no investimento dos pais, em tudo o que diz respeito ao ambiente do recém-nascido. É preciso investir nestes dois lados para que a medicina progrida".

Partilhe esta notícia

Notícias relacionadas

Tecnologias e métodos para combater desperdício alimentar na UE

Inteligência artificial ao serviço dos bebés prematuros