EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Inteligência artificial ao serviço dos bebés prematuros

Em parceria com The European Commission
Inteligência artificial ao serviço dos bebés prematuros
Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  Cyril Fourneris
Publicado a
Partilhe esta notícia
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Nesta edição de Futuris vamos descobrir um novo dispositivo que vai apoiar o trabalho dos dos médicos e dos pais

Todos os anos, cerca de 300.000 bebés prematuros nascem na Europa. O principal risco para estes seres humanos vulneráveis é a infecção. Pode ser mortal.

Como podemos detetá-la rapidamente para tomar as decisões corretas?

*Esta reportagem foi filmada antes do surto do coronavírus*

Os sistemas imunitários destes bebés são muito frágeis e entre 10 a 25% dos prematuros apanham uma infeção. Na cidade francesa de Rennes, os investigadores estão a desenvolver um instrumento médico que vai apoiar a decisão, baseado na inteligência artificial. O objetivo é detetar a infeção antes dos sintomas visíveis e informar os médicos através de um sistema de alerta.

Patrick Pladys, neonatologista do DIGI-NEWB PROJECT explica que, neste momento, os médicos enfrentam um problema duplo. Por um lado, os sinais clínicos não são muito específicos e chegam tarde. Por outro lado, se estiverem infetados, os bebés têm um elevado risco de morte e de ter sequelas no futuro. "A partir destas bases, há uma tendência para administrar muitos antibióticos. O que não é bom para o recém-nascido e para a ecologia do departamento".

O novo sistema regista os dados habituais como a frequência cardíaca e respiração. Mas graças às câmaras, regista também imagens e sons que até agora só eram observados com os olhos e ouvidos do pessoal médico.

Graças a este trabalho de investigação, financiado pela União Europeia, cientistas de vários países do bloco desenvolveram um índice que lança um alerta sempre que determinado valor de referência é ultrapassado.

Patrick Pladys revela que os médicos passam a receber um alarme pelo menos doze horas antes do que costumavam receber. Por um lado, terão tempo para avaliar, e por isso, podem simplesmente decidir alargar o período de avaliação. Ou podem decidir que as provas fornecidas pelo índice são suficientemente convincentes para começarem com antibióticos imediatamente.

Este mecanismo não se destina a substituir, mas sim a complementar o apoio e o acompanhamento dos médicos, enfermeiros, mas acima de tudo, dos pais.

Partilhe esta notícia

Notícias relacionadas

As casas inteligentes do futuro

Inteligência artificial ao lado dos bebés prematuros