EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

ChatGPT: "prodígio" da Inteligência artificial revoluciona mas tem defeitos

ChatGPT
ChatGPT Direitos de autor Peter Morgan/Copyright 2022 The AP.
Direitos de autor Peter Morgan/Copyright 2022 The AP.
De  Euronews
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Plataforma de produção artificial de conteúdos gerou uma revolução no mundo tecnológico

PUBLICIDADE

Uma nova ferramenta de inteligência artificial está a dominar o mundo tecnológico. Chama-se ChatGPT e pode fazer praticamente tudo. Fazemos uma pergunta e podemos receber um ensaio académico. Pode compor uma canção ou resolver um problema matemático em poucos segundos

Os especialistas sublinham que a aplicação pode colocar questões éticas, especialmente no meio académico ou na comunicação social.

Muhammad Abdul-Mageed, investigador em Inteligência Artificial, considera que o ponto fraco do ChatGPT é ter sido desenvolvido com dados desatualizados de 2021 ou 2022. “Por exemplo, não será capaz de detetar algo que tenha acontecido recentemente. Não será capaz de dizer se a França ganhou ou não o Campeonato do Mundo do Catar”, explica.

Se várias pessoas fizeram exatamente a mesma pergunta ao ChatGPT, a plataforma irá gerar quase a mesma resposta para cada uma delas. Por isso, se um professor corrigir vários trabalhos com a mesma construção ou os mesmos exemplos ou raciocínio, pode tratar-se de um texto gerado pela Inteligência Artificial.

Um estudante universitário de 22 anos desenvolveu uma aplicação chamada GPTZero, que pode detetar se o texto é escrito pelo ChatGPT. Mas não é infalível, porque atualmente não existe nenhum modelo de deteção.

Irene Solaiman, diretora da startup Hugging Face diz que “não existe uma solução mágica para a deteção de Inteligência Artificial” porque os modelos de deteção vão tentar acompanhar os modelos linguísticos, mas não vão ser tão bons.

Os peritos acreditam que com a Inteligência Artificial a tornar-se cada vez mais poderosa, pode ser altura de repensar a forma como a testamos nas escolas e que tipo de políticas os governos têm de pôr em prática para que esta ferramenta não seja utilizada para causar danos no mundo real.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

OpenAI demite diretor executivo, Sam Altman

E se a Inteligência Artificial nos matar a todos? O alerta chega de São Francisco

Inteligência Artificial completa sinfonia de Beethoven