Poderá a IA prever a sua "verdadeira" idade e quanto tempo viverá através de uma radiografia ao tórax?

Um médico examina uma radiografia do tórax.
Um médico examina uma radiografia do tórax. Direitos de autor Canva
De  Lauren Chadwick
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Um novo estudo demonstrou que a inteligência artificial (IA) pode estimar a idade de um indivíduo saudável a partir de uma radiografia do tórax.

PUBLICIDADE

Os cientistas desenvolveram um modelo de inteligência artificial (IA) capaz de ler radiografias do tórax para determinar a idade biológica de uma pessoa.

Num novo estudo publicado na revista The Lancet Healthy Longevity, os investigadores da Universidade Metropolitana de Osaka, no Japão, descobriram que quanto maior era a idade estimada pela IA em comparação com a idade real de uma pessoa, maior era a probabilidade de os indivíduos terem uma doença crónica.

"Os nossos resultados sugerem que a idade aparente baseada na radiografia do tórax pode refletir com precisão as condições de saúde para além da idade cronológica", afirmou Yasuhito Mitsuyama, estudante de pós-graduação e autor do estudo, num comunicado.

"Pretendemos continuar a desenvolver esta investigação e aplicá-la para estimar a gravidade das doenças crónicas, para prever a esperança de vida e para prever possíveis complicações cirúrgicas."

Para criar um modelo de IA capaz de ler radiografias de tórax ou raios X, os investigadores utilizaram mais de 67 mil radiografias de tórax obtidas entre 2008 e 2011 de indivíduos saudáveis em várias instituições.

Para os indivíduos saudáveis, verificou-se uma forte correlação entre a idade estimada pela IA e a idade cronológica da pessoa.

Idade mais elevada em comparação com a idade real de uma pessoa

Os investigadores também testaram mais de 34 mil radiografias de tórax de pacientes com doenças conhecidas.

Determinaram que o modelo estimado pela IA dava uma idade mais elevada em comparação com a idade real da pessoa para determinadas doenças crónicas, como hipertensão, doença pulmonar obstrutiva crónica (DPOC), doença hepática, doença pulmonar e insuficiência renal crónica.

No entanto, houve pouca correlação para as doenças agudas, como as infeções mais recentes, como a pneumonia.

"Este resultado significa que a nossa IA capta mais as alterações crónicas do que as alterações agudas na radiografia do tórax, o que é razoável porque o envelhecimento resulta de alterações crónicas que se acumulam ao longo do tempo", afirmaram os autores do estudo.

Os autores disseram ainda que este modelo de IA poderia servir como um indicador de doenças relacionadas com a idade e ajudar na deteção e intervenção precoces.

Mas pediram mais investigação para confirmar a causalidade, comparar o modelo de IA com outros marcadores biológicos de idade e estudar outros grupos étnicos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Alemanha está prestes a legalizar a canábis. Qual é a posição do resto da Europa relativamente ao consumo de marijuana?

Nobel da Medicina para descobertas sobre ARN mensageiro

Cientistas descobrem novo vírus que vive no fundo do mar