EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
O aglomerado de galáxias de Perseu, captado pelo telescópio Euclid da ESA.
O aglomerado de galáxias de Perseu, captado pelo telescópio Euclid da ESA. Direitos de autor ESA
Direitos de autor ESA
Direitos de autor ESA

ESA revela as primeiras imagens do telescópio Euclid que mostram o universo como nunca o viu

De  David Walsh
Publicado a
Partilhe esta notícia
Partilhe esta notíciaClose Button

A Agência Espacial Europeia (ESA) mostrou imagens de galáxias distantes nunca antes vistas.

PUBLICIDADE

A Agência Espacial Europeia (ESA) revelou esta terça-feira as primeiras imagens do seu telescópio espacial Euclid.

As fotografias a cores oferecem o vislumbre mais nítido do cosmos, numa altura em que o telescópio continua a sua missão de desvendar os mistérios das regiões mais longínquas do espaço, conhecidas como o "universo escuro".

O telescópio Euclid foi lançado em julho, a bordo de um foguetão da SpaceX, do Cabo Canaveral, nos EUA, numa missão de seis anos para explorar uma área do espaço a 1,5 milhões de km de distância.

O telescópio demorou um mês a chegar ao seu destino e começou agora a enviar as descobertas para a Terra, continuando a investigar a forma como a matéria escura e a energia escura influenciaram o aspeto atual do nosso universo.

"A matéria escura une as galáxias e faz com que girem mais rapidamente do que a matéria visível por si só pode explicar; a energia escura está a impulsionar a expansão acelerada do Universo. O Euclid permitirá, pela primeira vez, que os cosmólogos estudem em conjunto estes mistérios obscuros concorrentes", afirmou Carole Mundell, diretora científica da ESA.

"O Euclid dará um salto na nossa compreensão do cosmos como um todo, e estas imagens mostram que a missão está pronta para ajudar a responder a um dos maiores mistérios da física moderna".

More than 100,000 distant galaxies in the Perseus Cluster were picked up by Euclid's infrared imaging.
More than 100,000 distant galaxies in the Perseus Cluster were picked up by Euclid's infrared imaging.ESA

Qual é a missão da Euclid?

Observando as formas, distâncias e movimentos de milhares de milhões de galáxias a 10 mil milhões de anos-luz de distância e utilizando sensores de infravermelhos, a equipa por detrás da Euclid espera criar o maior mapa cósmico 3D alguma vez feito.

Batizado com o nome de Euclides, o antigo matemático grego, o telescópio irá analisar milhares de milhões de galáxias que cobrem mais de um terço do céu.

Os detetores de infravermelhos do Euclid - fornecidos pela agência espacial americana NASA (que também lançará o seu próprio telescópio, denominado Roman, em 2027) - permitem-lhe criar uma imagem extraordinariamente nítida de uma enorme faixa do céu numa só sessão.

As imagens recentemente divulgadas permitiram à equipa fazer zoom em galáxias distantes nunca antes vistas e bem focadas.

"Nunca antes tínhamos visto imagens astronómicas como estas, com tantos detalhes. São ainda mais bonitas e nítidas do que poderíamos esperar, mostrando-nos muitas características nunca antes vistas em áreas bem conhecidas do Universo próximo. Agora estamos prontos para observar milhares de milhões de galáxias e estudar a sua evolução ao longo do tempo cósmico", afirmou Rene Laureijs, cientista principal da missão, através de um comunicado.

"Os nossos elevados padrões para este telescópio valeram a pena: o facto de haver tanto detalhe nestas imagens deve-se a um design ótico especial, ao fabrico e montagem perfeitos do telescópio e dos instrumentos, e a um controlo extremamente preciso da temperatura e da orientação", acrescentou Giuseppe Racca, diretor do projeto Euclid.

Light from distant galaxies that were previously unseen took over 10 billion years to reach Earth.
Light from distant galaxies that were previously unseen took over 10 billion years to reach Earth.ESA

O que se pode ver nas imagens?

Pela primeira vez, os cientistas conseguiram distinguir muitas galáxias ténues que não tinham sido vistas anteriormente.

Uma das imagens mais espantosas é a das 1000 galáxias pertencentes ao Aglomerado de Perseu, e as mais de 100 000 galáxias adicionais mais distantes no fundo.

Algumas das galáxias agora visíveis em pormenor graças às imagens de Euclides estão tão distantes que a sua luz demorou 10 mil milhões de anos a chegar até nós.

Euclid's view of the spiral galaxy IC 342, known as the "Hidden Galaxy," which is similar to the Milky Way.
Euclid's view of the spiral galaxy IC 342, known as the "Hidden Galaxy," which is similar to the Milky Way.ESA

O Euclid vai continuar a observar numerosos enxames de galáxias como o Perseu, revelando o elemento "escuro" que os mantém unidos.

Uma das primeiras galáxias que observou, e que tem um aspeto semelhante ao da nossa Via Láctea, é a apropriadamente chamada "Galáxia Oculta", também conhecida como IC 342 ou Caldwell 5.

O Euclid conseguiu desvendar informações vitais sobre as estrelas desta galáxia utilizando os seus detetores de infravermelhos.

Editor de vídeo • Aisling Ní Chúláin

Partilhe esta notícia

Notícias relacionadas