Depois do cancelamento na semana passada, nave espacial russa descola do Cazaquistão

O foguetão Soyuz 2.1a com a nave espacial Soyuz MS-25 descola da base de lançamento russa de Baikonur, no Cazaquistão, no sábado, 23 de março de 2024.
O foguetão Soyuz 2.1a com a nave espacial Soyuz MS-25 descola da base de lançamento russa de Baikonur, no Cazaquistão, no sábado, 23 de março de 2024. Direitos de autor AP/Roscosmos space corporation
De  Euronews com AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

O foguetão transporta a astronauta da NASA Tracy Dyson, o russo Oleg Novitsky e Marina Vasilevskaya, da Bielorrússia.

PUBLICIDADE

O foguetão russo Soyuz descolou para a Estação Espacial Internacional no sábado, dois dias depois do seu lançamento ter sido abortado.

O lançamento estava inicialmente previsto para quinta-feira, mas foi interrompido por um sistema de segurança automático cerca de 20 segundos antes da descolagem prevista.

O chefe da agência espacial russa, Yuri Borisov, disse que uma queda de tensão numa fonte de energia provocou o cancelamento súbito.

No sábado, a cápsula espacial do topo do foguetão separou-se e entrou em órbita oito minutos após o seu lançamento, iniciando uma viagem de dois dias e 34 órbitas até chegar à estação espacial.

Se o lançamento tivesse decorrido como previsto na quinta-feira, a viagem teria sido muito mais curta, exigindo apenas duas órbitas.

Os três astronautas a bordo vão juntar-se à atual tripulação da estação, composta pelos astronautas da NASA Loral O'Hara, Matthew Dominick, Mike Barratt e Jeanette Epps, bem como pelos russos Oleg Kononenko, Nikolai Chub e Alexander Grebenkin.

A Estação Espacial Internacional é uma das últimas áreas de colaboração entre a Rússia e o Ocidente, em pleno período de grande tensão bélica provocada pela ação militar de Moscovo na Ucrânia.

A NASA e os seus parceiros esperam continuar a operar o posto avançado em órbita até 2030.

A Rússia tem continuado a recorrer a versões modificadas de foguetões de conceção soviética para transportar satélites comerciais, bem como tripulações e carga para a estação espacial.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

NASA revela novo avião supersónico "silencioso"

Rússia aborta lançamento do foguetão Angara-A5 a minutos da descolagem

Lançamento da Soyuz abortado a segundos da descolagem