NASA revela novo avião supersónico "silencioso"

O avião X-59 QueSST da NASA ganha forma na Lockheed Martin Skunk Works
O avião X-59 QueSST da NASA ganha forma na Lockheed Martin Skunk Works Direitos de autor NASA/Lockheed Martin
De  Roselyne Min com AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

A agência espacial norte-americana afirma que a missão Quesst conseguiu reduzir o ruído das naves supersónicas de estrondos sonoros para um baque silencioso.

PUBLICIDADE

A NASA e a empresa de defesa norte-americana Lockheed Martin revelaram o seu avião supersónico "silencioso", após seis anos de desenvolvimento.

Os voos supersónicos são voos que podem viajar a velocidades superiores à velocidade do som. O X-59 foi concebido para voar a 1,4 vezes a velocidade do som ou a cerca de 1.480 km/h.

"Hoje em dia, o voo supersónico produz um estrondo supersónico. Quem vive na área está familiarizado com esse som", disse Pam Melroy, administradora adjunta da NASA.

"Mas isso significa que há restrições em áreas povoadas, por boas razões. E o X-59 vai quebrar essa barreira. Meticulosamente projetado, o avião produz um baque suave. Um mero sussurro comparado com os ruídos perturbadores do passado", acrescentou a responsável.

O X-59 tem 30 metros de comprimento e 9 metros de largura e tem um nariz fino e cónico que representa quase um terço do seu comprimento.

A NASA diz que o nariz pontiagudo ajudará a quebrar as ondas de choque que normalmente resultam num boom sónico, um som semelhante a uma explosão ou a um trovão para o ouvido humano, causado por um objeto que viaja pelo ar mais rápido do que a velocidade do som.

Missão Quesst lançada em 2018

A NASA lançou a missão Quesst em 2018 para desenvolver uma aeronave supersónica que gera menos ruído do que uma aeronave supersónica convencional.

"Em apenas alguns anos, passámos de um conceito ambicioso para a realidade. O X-59 da NASA ajudará a mudar a forma como viajamos, em muito menos tempo", afirmou Melroy, num comunicado de imprensa.

Durante 50 anos, os Estados Unidos e outros países proibiram este tipo de voos devido ao seu elevado ruído.

Espera-se que a missão produza dados que ajudem os legisladores norte-americanos a reconsiderar a proibição dos voos sobre terra.

De acordo com a NASA, se for possível voar em aviões supersónicos comerciais, o tempo de viagem será drasticamente reduzido.

"Esta descoberta redefine a viabilidade das viagens supersónicas comerciais em terra. Aproxima-nos de um futuro que todos podemos compreender, reduzindo para metade o tempo de voo de Nova Iorque a Los Angeles", afirmou Melroy.

O avião deverá descolar pela primeira vez no final deste ano.

Assim que a NASA concluir os testes de voo, a agência irá sobrevoar várias cidades dos EUA. 

A primeira descolagem está prevista para o final deste ano e, em 2027, será realizado um inquérito aos residentes sobre a sua perceção do ruído.

Para mais informações sobre esta notícia, veja o vídeo no leitor multimédia acima.

Editor de vídeo • Roselyne Min

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Pequeno helicóptero da NASA faz último voo em Marte

Paris a Nova Iorque em 1,5 horas: O jato de hidrogénio que quer dar início às viagens hipersónicas

Esta empresa americana vai iniciar os voos de teste do seu protótipo de "carro voador"