EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Carro sem condutor chinês atropela uma pessoa que não respeitou o semáforo

Um Robotaxi Apollo da Baidu
Um Robotaxi Apollo da Baidu Direitos de autor AP Photo/Andy Wong, File
Direitos de autor AP Photo/Andy Wong, File
De  AP & Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Os comentários nas redes sociais apoiaram largamente o fabricante do carro sem condutor.

PUBLICIDADE

No fim de semana, um veículo de transporte de passageiros sem condutor na China atropelou um peão em Wuhan, que alegadamente atravessava a estrada quando o semáforo já estava vermelho.

O operador do veículo, o gigante chinês da tecnologia Baidu, disse aos meios de comunicação chineses que o carro começou a andar quando o semáforo ficou verde e teve um pequeno contacto com o peão.

Um porta voz do Baidu disse que a pessoa não tinha ferimentos externos óbvios e foi levada para um hospital.

Os comentários nas redes sociais apoiaram largamente o fabricante, sublinhando que o peão tinha infringido a lei, afirmou o jornal de língua inglesa Shanghai Daily num post no X.

Entretanto, a agência noticiosa financeira chinesa Yicai citou um especialista que afirmou que a tecnologia pode ter limitações quando se trata de comportamentos não convencionais, como outros veículos ou peões que violam as leis de trânsito.

Baidu, um motor de busca e empresa de inteligência artificial (IA) com sede em Pequim, é líder no desenvolvimento da condução autónoma na China.

A sua maior operação de "robotaxi", com uma frota de 300 carros, está localizada em Wuhan, uma grande cidade no centro da China que registou o primeiro grande surto de COVID-19 do mundo no início de 2020.

O seu serviço de "ride-hailing" também está presente em partes mais limitadas de três outras cidades chinesas: Pequim, Shenzhen e Chongqing.

A empresa lançou a sexta geração do seu táxi sem condutor em maio, afirmando que tinha reduzido o custo unitário em mais de metade, para menos de 30 000 dólares (27 700 euros).

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Com o Ariane 6 prestes a descolar, a Europa recupera o acesso ao espaço

Nova linha do metro de Roma não terá gladiadores, mas vai passar por baixo do Coliseu

Entusiastas de automóveis clássicos debatem a conversão dos motores de combustão em elétricos