Estes sapatos futuristas impressos em 3D adaptam-se aos pés e poderão chegar ao mercado em breve

Os sapatos Evolve AI com as suas solas.
Os sapatos Evolve AI com as suas solas. Direitos de autor Alex Kent
De  Estelle Nilsson-Julien
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Cansado de usar os mesmos sapatos desconfortáveis e que não lhe servem? Fique atento porque, nos próximos anos, estes sapatos impressos em 3D podem estar a chegar.

PUBLICIDADE

Assa Ashuach, um dos principais criadores do par de sapatos futuristas impressos em 3D, afirma que estes são capazes de o estudar ao longo do tempo e de se aperfeiçoarem.

Os sapatos Evolve AI, que estão atualmente em exposição no Museu do Futuro do Dubai, estão a ultrapassar os limites da ciência e do design. A equipa que está por detrás deste elegante calçado espera tirá-lo das prateleiras dos museus e colocá-lo nos pés dos utilizadores nos próximos três anos.

"Somos todos um pouco diferentes, alguns de nós têm pés pequenos, outros têm pés grandes. O mesmo acontece com as pernas, que podem ser finas, compridas ou grandes. Isto é algo completamente diferente, estes sapatos são feitos para si", disse Ashuach, que tem trabalhado na vanguarda da impressão 3D e do design desde o início da década de 2000.

Os sapatos terão uma série de sensores.
Os sapatos terão uma série de sensores.Assa Ashuach

A indústria mundial do calçado é altamente lucrativa, com um valor estimado de 360 mil milhões de euros em 2022, de acordo com um estudo da organização de estudos de mercado Straits Research.

No entanto, muitos dos sapatos disponíveis no mercado continuam a ser produzidos em massa e têm tamanhos normalizados. Isto significa que existe uma abundância de sapatos baratos e modernos que não estão necessariamente adaptados a diferentes tipos de corpo.

Como é que os sapatos funcionam?

Os sapatos Evolve AI estão equipados com uma placa de circuito impressa em 3D, que contém sensores de recolha de dados. Este projeto, financiado pela UE, é uma colaboração entre várias empresas, incluindo o estúdio de Assa Ashuach, a Stratasys, a Haratech e a Profactor.

"Os sapatos avaliam se a pessoa está a fazer pressão para dentro ou para fora, se está a ganhar ou a perder peso, o quanto transpira. O sapato apoia o pé e molda-se à sua volta", diz Ashuach.

As solas dos sapatos podem ser mantidas, mesmo que a parte exterior apresente sinais de desgaste.
As solas dos sapatos podem ser mantidas, mesmo que a parte exterior apresente sinais de desgaste.Assa Ashuach

Os utilizadores acabarão por usar aquilo a que Ashuach chama a "primeira geração de sapatos", que recolhe dados que serão enviados para uma "segunda geração" de sapatos, armazenados numa nuvem virtual. Uma vez recolhidos dados suficientes, os sapatos podem ser impressos em 3D.

"Teríamos de esperar cerca de um ano antes de os imprimir, ou mais tempo se quisermos que sejam ainda mais adaptados", disse Ashuach, que espera criar uma gama de sapatos a cerca de 235 euros e outra mais premium a 500 euros.

A impressão 3D está a tornar-se cada vez mais comum numa variedade de indústrias, desde o mundo da medicina ao setor automóvel. Este mercado global em expansão tinha um valor estimado de 18,8 mil milhões de euros em 2023, com previsões que sugerem que poderá crescer 23,5 por cento até 2030, de acordo com um inquérito da Grand View Research.

Para quem são os sapatos?

Para usar os sapatos, os utilizadores têm não só de pagar um preço elevado, mas também de fornecer os seus dados pessoais.

Os sapatos monitorizam a forma como os utilizadores se movimentam, mas também recolhem dados sobre o ambiente externo, como por exemplo as condições meteorológicas.

Um olhar interior sobre o sapato e a sua placa de circuitos minúscula.
Um olhar interior sobre o sapato e a sua placa de circuitos minúscula.Assa Ashuach

"O utilizador pode ficar com um sapato com ventilação adaptada, dependendo se passa mais tempo em ambientes quentes ou frios. O tipo de terreno em que se anda também pode ser avaliado para modificar o peso do sapato", disse Ashuach.

O designer afirma que os sapatos também podem ter benefícios para a saúde.

"Podemos melhorar drasticamente a vida dos diabéticos adaptando-lhes o calçado, uma vez que podem sofrer de feridas de pressão nos pés", acrescentou Ashuach.

Um design fora do comum

As Evolve AI têm certamente um aspeto diferente do convencional par de ténis Nike AirForce e, para alguns, podem até ser difíceis de ver. Tudo isto faz parte da estética que Ashuach está a tentar alcançar.

"Inspirei-me na pele humana para o design, é possível ver que as sapatilhas têm veias, por exemplo", explica.

O design inovador também desempenha um papel no próximo grande objetivo dos designers: incorporar materiais regenerativos que possam melhorar e reparar-se a si próprios.

PUBLICIDADE

"A ideia é que estas veias possam crescer à volta do pé enquanto se usa o calçado para o apoiar", afirma Ashuach com um brilho de entusiasmo nos olhos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Biden diz estar a “considerar” o pedido da Austrália para desistir das acusações contra Assange

Elon Musk investigado no Brasil por desinformação

Justiça britânica adia extradição de Julian Assange e pede garantias aos EUA