Cientistas descobrem mudanças no cérebro sob o efeito de psicadélicos como a DMT

O estudo lança uma nova luz sobre a forma como a DMT afeta o cérebro
O estudo lança uma nova luz sobre a forma como a DMT afeta o cérebro Direitos de autor Canva
Direitos de autor Canva
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Um recente estudo consegui analisar de forma mais detalhada a forma como o cérebro muda sob o efeito de substâncias psicadélicas como a DMT

PUBLICIDADE

Os exames avançados ao cérebro mostraram como uma droga psicadélica poderosa aumenta a conectividade em áreas do cérebro ligadas a funções de nível mais elevado, tais como a imaginação.

Na esperança de reunir novos conhecimentos sobre como os psicadélicos alteram a experiência consciente de uma pessoa, os cientistas realizaram uma experiência com DMT (dimetiltriptamina).

Esta é a psicadélica natural utilizada nas cerimónias de ayahuasca, em que os participantes bebem uma poção numa cerimónia espiritual tipica conduzida por um xamã.

O estudo, publicado na revista PNAS, é o primeiro a seguir a atividade cerebral antes, durante e depois da experiência com DMT de forma tão detalhada.

Ao contrário de outros psicadélicos bem conhecidos, como o LSD ou a psilocibina, os efeitos da DMT no cérebro são breves, durando apenas alguns minutos em vez de horas.

A droga produz estados de consciência intensamente alterados, e as pessoas que a tomaram têm frequentemente visões vívidas e bizarras, ou sentem que visitaram realidades ou dimensões alternativas.

Não tem sido claro, contudo, como é que o composto altera realmente o funcionamento do cérebro para produzir estes efeitos.

Para descobrir isto, os investigadores do Imperial College London analisaram os cérebros de 20 voluntários saudáveis, aos quais foram administradas doses relativamente elevadas de DMT por injeção.

Aumento das comunicações entre os sistemas cerebrais

Foram efetuados dois tipos de scans do cérebro dos participantes antes, durante e depois da experiência: ressonância magnética funcional (FMRI) e eletroencefalografia (EEG).

A FMRI mede pequenas alterações no fluxo sanguíneo que ocorrem com a atividade cerebral, enquanto uma EEG é realizada ligando pequenos sensores ao couro cabeludo de uma pessoa para captar sinais elétricos produzidos pelo cérebro.

A experiência psicadélica total durou cerca de 20 minutos, e a intervalos regulares, os voluntários forneceram uma classificação da intensidade subjetiva da sua experiência numa escala de um a 10.

Os exames de FMRI mostraram mudanças na atividade dentro e entre regiões do cérebro, com mais comunicação entre diferentes áreas e sistemas. As mudanças foram mais proeminentes em áreas ligadas ao que são as chamadas funções de nível mais elevado, como a imaginação.

"Este trabalho é empolgante, pois proporciona a visão mais avançada do estado psicadélico humano até à data", disse o Dr Chris Timmerman do Centro de Investigação Psicadélica do Imperial College de Londres, que é o autor principal do estudo.

"Uma visão cada vez mais popular é que grande parte da função cerebral está preocupada em modelar ou prever o seu ambiente. Os seres humanos têm cérebros invulgarmente grandes e modelam uma quantidade invulgarmente grande do mundo", explicou.

Chris Timmerman deu um exemplo de como, quando olhamos para ilusões óticas, os nossos cérebros estão de facto a preencher lacunas com base no que já sabemos.

"O que vimos com a DMT é que a atividade em áreas e sistemas do cérebro altamente evoluídos que codificam modelos especialmente de alto nível torna-se altamente desregulada sob a droga, e isto está relacionado com a intensa "'trip' da droga", afirmou.

A atividade cerebral e a experiência consciente

Embora não seja o primeiro estudo a imaginar o cérebro durante uma "viagem" psicadélica, é o primeiro a combinar as duas técnicas de imagem para estudar o que acontece.

Os investigadores dizem que o trabalho fornece mais provas de como a DMT - e os psicadélicos em geral - exercem os seus efeitos ao perturbar os sistemas cerebrais de alto nível.

PUBLICIDADE

"Motivado por, e com base nas nossas pesquisas anteriores com substâncias psicadélicas, o presente trabalho combinou dois métodos complementares de imagiologia do cérebro. A FMRI permitiu-nos ver todo o cérebro, incluindo as suas estruturas mais profundas, e a EEG ajudou-nos a ver a atividade rítmica de granulação fina do cérebro", disse o professor Robin Carhart-Harris, fundador do Centro de Investigação Psicadélica do Imperial College de Londres.

"Os nossos resultados revelaram que quando um voluntário estava em DMT havia uma marcada desregulamentação de alguns dos ritmos do cérebro que normalmente seriam dominantes. O cérebro mudou o seu modo de funcionamento para algo completamente mais anárquico", explicou.

Segundo Robin Carhart-Harris os psicadélicos são ferramentas poderosas para compreender como a atividade cerebral se relaciona com a experiência consciente.

Os investigadores continuam a explorar a forma de prolongar o auge de uma experiência psicadélica usando a infusão contínua de DMT.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Acionistas da Nestlé pressionam a empresa para que ofereça produtos mais saudáveis (após o recente escândalo do açúcar)

Parlamento britânico vota proibição de venda de tabaco a pessoas nascidas depois de 2009

Nova aplicação para smartphone pode detetar sinais precoces de demência