Quando a Inteligência Artificial consegue ler a mente das pessoas

The system can decode someone's thoughts using brain scans
The system can decode someone's thoughts using brain scans Direitos de autor Canva
Direitos de autor Canva
De  Luke Hurst
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Sistema de IA consegue traduzir os pensamentos das pessoas em texto, analisando os cérebros enquanto ouvem uma história ou se imaginam a contar uma história.

PUBLICIDADE

Nos últimos meses, a inteligência artificial tem chocado e inspirado milhões de pessoas com a sua capacidade de escrever como um ser humano, criar imagens e vídeos espantosos e até produzir canções que estão a abalar a indústria musical.

Agora, os investigadores revelaram outra aplicação potencial que pode ter implicações enormes - a IA que pode essencialmente ler mentes.

Têm estado a trabalhar num novo sistema de IA que pode traduzir a actividade cerebral de alguém num fluxo contínuo de texto.

"Para um método não invasivo, este é um verdadeiro salto em frente em comparação com o que foi feito antes, que é tipicamente uma única palavra ou frases curtas", disse Alex Huth, professor assistente de neurociência e ciência da computação na UT Austin, e um dos autores do artigo.

"Estamos a conseguir que o modelo descodifique linguagem contínua durante longos períodos de tempo com ideias complicadas".

Existem outros sistemas de descodificação de linguagem em desenvolvimento, mas estes requerem implantes cirúrgicos, que são classificados como sistemas invasivos.

O descodificador semântico é um sistema não invasivo, uma vez que não necessita de implantes. Ao contrário de outros descodificadores, os sujeitos também não estão limitados à utilização de palavras de uma lista prescrita. O descodificador é treinado extensivamente com exames de fMRI efectuados enquanto o sujeito ouve horas de podcasts. Depois disso, o sujeito ouve uma nova história, ou imagina-se a contar uma história, e a sua actividade cerebral gera o texto correspondente.

Descodificar "a essência" do pensamento

Os investigadores explicaram que os resultados não são uma transcrição palavra por palavra do que o sujeito ouve ou diz na sua mente, mas o descodificador capta "a essência" do que está a ser pensado. Em cerca de metade das vezes, a máquina é capaz de produzir um texto que se aproxima - e por vezes corresponde exactamente - ao significado pretendido das palavras originais.

Numa experiência, por exemplo, um ouvinte ouviu um orador dizer: "Ainda não tenho a minha carta de condução", e a máquina traduziu os seus pensamentos para: "Ela ainda nem sequer começou a aprender a conduzir".

Durante os testes, os investigadores também pediram aos sujeitos que vissem pequenos vídeos silenciosos enquanto eram analisados, e o descodificador foi capaz de utilizar a sua actividade cerebral para descrever com precisão alguns eventos dos vídeos.

Os investigadores acreditam que o processo pode ser transferido para sistemas de imagiologia cerebral mais portáteis, como a espectroscopia funcional de infravermelhos próximos (fNIRS). Actualmente, não é possível uma utilização mais alargada devido à sua dependência das máquinas de RMN.

"A fNIRS mede onde há mais ou menos fluxo sanguíneo no cérebro em diferentes pontos no tempo, o que, afinal, é exactamente o mesmo tipo de sinal que a fMRI mede", disse Huth. "Assim, o nosso tipo exacto de abordagem deve traduzir-se em fNIRS", embora, observou, a resolução com fNIRS seja inferior.

Os investigadores abordaram as potenciais preocupações relativas à utilização deste tipo de tecnologia, com o autor principal Jerry Tang, um estudante de doutoramento em ciências informáticas, a afirmar: "Levamos muito a sério as preocupações de que possa ser utilizada para maus fins e trabalhámos para o evitar".

Os autores insistem que o sistema não pode ser utilizado em ninguém contra a sua vontade, uma vez que precisa de ser extensivamente treinado num participante disposto a isso. "Uma pessoa precisa de passar até 15 horas deitada num aparelho de ressonância magnética, perfeitamente imóvel e a prestar atenção às histórias que está a ouvir, para que o sistema funcione bem com ela", explicou Huth.

Os resultados foram publicados na revista Nature.

Descodificar imagens da mente

Traduzir a actividade cerebral em palavras escritas não é a única coisa em que os investigadores estão a testar a inteligência artificial.

canvas
mind readingcanvas

Outro estudo recente, publicado em Março, revelou como a IA pode descodificar o cérebro e recriar imagens que uma pessoa viu.

Os investigadores da Universidade de Osaka, no Japão, utilizaram o Stable Diffusion - um gerador de texto para imagem semelhante ao Midjourney e ao DALL-E 2 da OpenAI.

PUBLICIDADE

Esse sistema foi capaz de reconstruir experiências visuais a partir da actividade cerebral humana, graças, mais uma vez, a exames cerebrais fMRI efectuados enquanto o sujeito olhava para uma pista visual.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Rápido desenvolvimento da IA provoca apelos a uma regulamentação urgente

Parlamento britânico vota proibição de venda de tabaco a pessoas nascidas depois de 2009

Nova aplicação para smartphone pode detetar sinais precoces de demência