Cientistas desenvolvem repelente que pode impedir 99% dos mosquitos de picar a sua pele

Image shows a mosquito. Israeli scientists have developed a new 'chemical camouflage' repellent to keep mosquitoes at bay.
Image shows a mosquito. Israeli scientists have developed a new 'chemical camouflage' repellent to keep mosquitoes at bay. Direitos de autor Canva
De  Euronews and AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Cientistas israelitas desenvolveram um novo tipo de "camuflagem química" que pode impedir 99% dos mosquitos de picar a sua pele

PUBLICIDADE

O verão chegou ao hemisfério norte. Mas, juntamente com o sol, as noites mais longas e as temperaturas mais quentes, a estação também traz consigo uma inevitável onda de mosquitos e o incómodo das suas picadas.

Pior ainda são as variedades de insetos portadores de malária, cujas picadas causam centenas de milhares de mortes por ano em todo o mundo.

Para os combater, cientistas da Universidade Hebraica de Israel desenvolveram um novo tipo de repelente de insetos - uma "camuflagem química" - que, segundo eles, impede 99% dos mosquitos de pousarem na pele onde é aplicado.

"Em primeiro lugar, é uma proteção mecânica contra a picada de mosquitos através da pele. Em segundo lugar, este polímero de celulose atua como uma camuflagem química", explicou Jonathan Bohbot, o principal investigador da Faculdade de Agricultura, Alimentação e Ambiente da Universidade Hebraica. "Impede que o seu cheiro atraia os mosquitos e traga mais mosquitos e também liberta o nosso repelente muito lentamente. Por isso, prolonga a duração da proteção", acrescentou.

De acordo com Bohbot, os repelentes tópicos típicos - ou seja, aqueles que são aplicados na pele - funcionam impedindo que os mosquitos piquem o indivíduo. O repelente da equipa atua impedindo que o mosquito se aproxime de um indivíduo.

A fórmula é uma combinação de dois componentes naturais: o indol, uma substância perfumada que se encontra nas flores, e um polímero chamado celulose.

As conclusões da equipa, publicadas num estudo publicado na revista PNAS Nexus em abril, indicam uma diminuição de 80% na alimentação da pele humana quando se aplica uma fina camada de nanocristais de celulose.

Verificou-se que o efeito combinado dos nanocristais de celulose com o indol reduziu a postura de ovos após a exposição em 99,4 por cento.

"A combinação deste polímero e do nosso repelente é o sistema de proteção pessoal perfeito, com efeito de longo alcance e longa duração", afirmou Bohbot.

A equipa diz que espera colocar o novo repelente no mercado no próximo ano.

Editor de vídeo • Aisling Ní Chúláin

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Maior hospital do Alabama suspende fertilização in vitro

Padre e alegado companheiro detidos em Espanha por venda ilegal de Viagra

Cientistas descobrem que tabaco tem impacto nocivo no sistema imunitário mesmo anos depois de se deixar de fumar