EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Como explicar aos doentes que não podem obter os medicamentos que precisam?

Em parceria com The European Commission
Como explicar aos doentes que não podem obter os medicamentos que precisam?
Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  Euronews
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notícia
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Uma farmacêutica de Varsóvia partilha a sua experiência face a pacientes para os quais não têm medicamentos disponíveis

Os sistemas de saúde da União Europeia nem sempre podem fornecer aos doentes os medicamentos que necessitam, devido a uma escassez temporária ou à indisponibilidade de certos tratamentos num país.

Como é que os farmacêuticos explicam esta questão aos pacientes? Anna Milczarek-Alwaked, uma farmacêutica da capital polaca, Varsóvia, partilha a sua experiência:

"Por vezes, os doentes tornam-se agressivos. Estão descontentes por eu não ter o medicamento de que precisam e mostram claramente o seu descontentamento.

Quando todas as minhas explicações se esgotam, faço sempre a mesma coisa. Explico que existe apenas um fabricante para as principais substâncias. Um único fabricante do qual tudo depende.

Digo-lhes que os medicamentos têm preços diferentes na União Europeia e no mundo e que, para o fabricante, é sempre mais rentável vender os medicamentos onde lhes pagam mais. Os fabricantes exportam mais para quem tem mais dinheiro. É isso que explico aos doentes.

É claro que, por vezes, estão cheios de ressentimento. Dizem que têm uma doença crónica. Eu digo-lhes que não tenho do que precisam e eles dizem que não têm forças para dar a volta a muitas farmácias. Precisam mesmo do medicamento aqui e agora.

Depois repito-lhes que não posso encomendar o medicamento que lhes foi receitado, porque neste momento não está disponível aqui. Mas eles insistem. Dizem-me que precisam muito deste tratamento.

Por vezes, tento importar medicamentos do estrangeiro, da União Europeia. Mas o preço é muito mais elevado. Mas se o doente precisar mesmo desse medicamento, pagará qualquer preço para receber o tratamento.

Tenho uma oferta muito vasta e quero que cada cliente saia da minha farmácia com um medicamento. Não tenho medo de ouvir as críticas e os comentários. O principal problema é o preço. A maior parte dos comentários de desagrado que ouvimos ao balcão estão ligado ao preço dos medicamentos."

Partilhe esta notícia