EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Braço biónico que se funde com esqueleto e nervos do utilizador pode fazer avançar os cuidados a amputados

A mão biónica altamente integrada demonstrou melhorias notáveis
A mão biónica altamente integrada demonstrou melhorias notáveis Direitos de autor Ortiz-Catalan et al., Sci. Rob., 2023.
Direitos de autor Ortiz-Catalan et al., Sci. Rob., 2023.
De  Luke Hurst
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

O braço biónico funciona há anos, reduzindo o nível de dor do utilizador. A primeira pessoa a receber o braço biónico conta como este mudou a sua vida.

PUBLICIDADE

Uma mulher que perdeu o braço num acidente agrícola revelou como uma prótese biónica inovadora tem sido transformadora na sua vida.

A tecnologia funde o braço biónico com o esqueleto do utilizador, ligando-o também ao sistema nervoso através de eléctrodos implantados nos nervos e nos músculos.

Depois do seu acidente, há mais de 20 anos, *Karin foi atormentada por elevados níveis de dor no membro fantasma - quando uma pessoa amputada sente dor ou desconforto num membro que já não existe.

"Parecia que a minha mão estava constantemente num moinho de carne, o que criava um elevado nível de stress e eu tinha de tomar doses elevadas de vários analgésicos", disse ela.

Muitas pessoas têm dificuldade em adaptar-se às próteses convencionais, uma vez que a fixação mecânica e o controlo fiável dos membros são dois dos principais desafios na substituição de membros artificiais.

Foi o que aconteceu com Karin durante muitos anos, pois considerava as próteses convencionais desconfortáveis e pouco fiáveis.

No entanto, tudo mudou quando ela se tornou a primeira pessoa com uma amputação abaixo do cotovelo a receber o novo tipo de mão biónica - instalada com "uma abordagem integrada de cirurgia e engenharia", segundo o Professor Max Ortiz Catalan, chefe de investigação de próteses neurais no Bionics Institute na Austrália e fundador do Center for Bionics and Pain Research (CBPR) na Suécia, que liderou a investigação.

"Para mim, esta investigação significou muito, pois deu-me uma vida melhor", disse Karin, que acrescentou que agora tem "melhor controlo sobre a minha prótese, mas acima de tudo, a minha dor diminuiu. Atualmente, preciso de muito menos medicação".

Fusão entre homem e máquina

Esta transformação na vida de Karin é o resultado de uma técnica única que, essencialmente, funde o esqueleto do utilizador com o braço biónico utilizando a osseointegração - em que um implante é aceite pelo osso como parte dele e não como um objeto estranho.

O implante actua como uma âncora permanente para a prótese, que pode então ser facilmente fixada e removida.

Uma equipa de engenheiros e cirurgiões liderada por Catalan desenvolveu a interface homem-máquina, que também permite a ligação eléctrica com o sistema nervoso do utilizador através de eléctrodos implantados em determinados nervos e músculos.

"Karin foi a primeira pessoa com amputação abaixo do cotovelo que recebeu este novo conceito de uma mão biónica altamente integrada que pode ser utilizada de forma independente e fiável na vida quotidiana", explicou Catalan.

"O facto de ela ter sido capaz de utilizar a prótese de forma confortável e eficaz nas actividades diárias durante anos é um testemunho promissor das potenciais capacidades de mudança de vida desta nova tecnologia para indivíduos que enfrentam perda de membros".

Catalan acrescentou que a "abordagem cirúrgica e de engenharia integrada" também ajudou a reduzir o nível de dor de Karin, uma vez que ela está agora a utilizar muitos dos mesmos recursos neurais para controlar a prótese que utilizava com o seu braço biológico.

"A integração biológica de implantes de titânio no tecido ósseo cria oportunidades para melhorar ainda mais os cuidados prestados aos amputados", explicou o Professor Rickard Brånemark, investigador afiliado do MIT, professor associado da Universidade de Gotemburgo e Diretor Executivo da Integrum, que liderou a cirurgia e tem trabalhado com a osseointegração de próteses de membros desde que foram utilizadas pela primeira vez em seres humanos.

PUBLICIDADE

"Ao combinar a osseointegração com a cirurgia reconstrutiva, eléctrodos implantados e IA, podemos restaurar a função humana de uma forma sem precedentes. O nível de amputação abaixo do cotovelo apresenta desafios específicos e o nível de funcionalidade alcançado constitui um marco importante para o campo das reconstruções avançadas das extremidades como um todo".

A mão biónica propriamente dita foi desenvolvida pela empresa italiana de robótica Prensilia e chama-se Mia Hand. Possui componentes motores e sensoriais únicos que permitem ao utilizador realizar cerca de 80% das actividades da vida diária.

"A aceitação da prótese é fundamental para o sucesso da sua utilização", afirmou o Dr. Francesco Clemente, Diretor-Geral da Prensilia.

"Para além do desempenho técnico, a Prensilia esforçou-se por desenvolver uma mão que pudesse ser totalmente personalizável do ponto de vista estético. A Mia Hand nasceu para ser mostrada e não escondida. Queríamos que os utilizadores se orgulhassem do que são, em vez de se envergonharem do que foi perdido".

PUBLICIDADE

*O nome completo de Karin não foi revelado por motivos de privacidade.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

As pernas biónicas de Hugh Herr: será possível acabar com a deficiência?

Testes clínicos para resolver cegueira

A primeira estrela Pop biónica do Mundo esbanja sensualidade