EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Quais são os países mais afetados pela crescente crise da obesidade?

Obesidade
Obesidade Direitos de autor Canva
Direitos de autor Canva
De  Servet Yanatma
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Os dados revelam que um em cada seis europeus é obeso e mais de 50% dos adultos têm excesso de peso. As taxas variam de país para país, mas onde é que o problema é mais grave?

PUBLICIDADE

A obesidade representa um desafio crescente na Europa, com um em cada seis cidadãos da União Europeia (UE) classificados como obesos e mais de metade dos adultos do bloco com excesso de peso.

A obesidade é um grave problema de saúde pública, uma vez que aumenta o risco de doenças crónicas como a hipertensão, a diabetes, as doenças coronárias e certos tipos de cancro.

Em média, na UE, o excesso de peso e a obesidade reduzem a esperança de vida em quase três anos, de acordo com o relatório da Organização de Cooperação e de Desenvolvimento Económicos (OCDE).

Estimativas recentes sugerem também que o excesso de peso e a obesidade causam mais de 1,2 milhões de mortes por ano na região europeia da Organização Mundial de Saúde (OMS), que inclui 53 países.

O relatório "European Regional Obesity Report 2022" da OMS mostra que a obesidade é a quarta maior causa, depois da hipertensão arterial, dos riscos alimentares e do tabaco, correspondendo a mais de 13% do total de mortes.

O índice de massa corporal (IMC) é largamente aceite como a medida mais útil de obesidade para adultos (com 18 anos ou mais) quando apenas estão disponíveis dados sobre o peso e a altura.

Trata-se de uma medida que relaciona o peso com a altura de uma pessoa.

A tabela mostra a classificação dos resultados do IMC da OMS:

● < 18,50: abaixo do peso;

● 18,50 - < 25,00: normal;

● >= 25,00: excesso de peso;

● >= 30,00: obesidade.

Como é que as taxas de obesidade e excesso de peso variam na Europa? Que países têm as populações mais obesas? E quais são as razões subjacentes à obesidade?

Mais de metade dos adultos na UE têm excesso de peso

Em 2019, 44,8% dos adultos que viviam na UE tinham um peso normal, enquanto mais de metade (52,7%) tinham excesso de peso e 2,5% tinham peso a menos, medido pelo seu IMC, de acordo com o Eurostat, o serviço oficial de estatística da UE.

O excesso de peso divide-se em dois grupos principais, nomeadamente os pré-obesos e os obesos. 

PUBLICIDADE

A proporção de pessoas com excesso de peso varia significativamente na UE.

Percentagem mais elevada de adultos com excesso de peso na Croácia e em Malta

A Croácia e Malta (ambos com 64,8%) registaram a percentagem mais elevada de pessoas com excesso de peso na UE. Quase duas em cada três pessoas foram consideradas com excesso de peso nestes países.

Quando se inclui a Associação Europeia de Comércio Livre (EFTA) e dois países candidatos à UE, seguem-se a Islândia, a Chéquia e a Hungria, onde a taxa de excesso de peso era igual ou superior a 60%.

Taxas de excesso de peso mais baixas em Itália e França

A proporção mais baixa de pessoas com excesso de peso foi registada em Itália (45,7%), França (47,2%) e Luxemburgo (48,4%). Estes foram os únicos países com uma taxa de excesso de peso inferior a 50%.

PUBLICIDADE

Um em cada seis adultos na UE é obeso

Analisando os pormenores relativos aos adultos com excesso de peso, 16,5%  eram obesos - cerca de um em cada seis - e 36,2% eram pré-obesos na UE.

Em 2019, a percentagem de obesos variou entre 10,9% na Roménia e 28,7% em Malta.

Pelo menos um em cada cinco adultos era obeso em 12 dos 33 países da Europa.

Obesidade nos "Quatro Grandes" da UE e no Reino Unido

A taxa de obesidade era de 21% no Reino Unido (dados de 2017). Nas chamadas "Quatro Grandes" economias da UE, a Alemanha (19%) apresentava a taxa de obesidade mais elevada, seguida da Espanha (16%), da França (15%) e da Itália (11,7%).

PUBLICIDADE

A prevalência da obesidade está a aumentar

Nas últimas duas décadas, a prevalência da obesidade aumentou na UE, de acordo com o relatório "Health at a Glance: Europa 2020" da OCDE.

Entre os 18 países da UE com dados disponíveis desde cerca de 2000, a taxa média de obesidade aumentou de 11% em 2000 para 15% em 2008 e 17% em 2018.

Porque é que as taxas de excesso de peso e de obesidade variam significativamente?

Não existe uma resposta simples para explicar a variação das taxas. Um artigo intitulado "Prevalência de excesso de peso e obesidade em adultos em 20 países europeus, 2014", publicado no European Journal of Public Health, concluiu que a prevalência geral era mais elevada nos países da Europa de Leste em comparação com os países do centro e do norte.

A prevalência do excesso de peso e da obesidade estava relacionada com as características socioeconómicas. O baixo estatuto socioeconómico é descrito como estando associado à obesidade.

PUBLICIDADE

A taxa de excesso de peso foi mais elevada nos homens do que nas mulheres em todos os países

O género é uma variável significativa na explicação das taxas de excesso de peso. Nos 33 países europeus, a taxa de excesso de peso é mais elevada nos homens do que nas mulheres.

Na UE, 60,2% dos homens tinham excesso de peso, ao passo que esta taxa era de 45,7% nas mulheres.

A percentagem de mulheres obesas era superior à dos homens em vários países

Quando olhamos para a obesidade por género, temos uma história diferente da do excesso de peso.

Em 2019, não se registou uma diferença sistemática entre os sexos no que diz respeito à percentagem de homens e mulheres obesos.

PUBLICIDADE

Na UE, a taxa de obesidade era de 16,8% nos homens, enquanto era ligeiramente inferior nas mulheres (16,3%).

A proporção mais elevada de homens obesos (30,6%) e de mulheres (26,7%) foi registada em Malta.

A percentagem de excesso de peso aumenta geralmente com a idade

Excetuando as pessoas com 75 anos ou mais, quanto mais velho for o grupo etário, mais elevada é a percentagem de pessoas com excesso de peso na UE.

O grupo etário dos 18 aos 24 anos registou as percentagens mais baixas de pessoas com excesso de peso (25%), enquanto o grupo dos 65 aos 74 anos registou as percentagens mais elevadas (65,7%).

PUBLICIDADE

O mesmo acontece com a taxa de obesidade (6% vs. 22%).

O nível de educação é importante para o excesso de peso e a obesidade

Também existe um padrão claro para o nível de escolaridade. As proporções de pessoas com excesso de peso e obesas diminuem à medida que o nível de educação aumenta na UE.

Em 2019, a percentagem de adultos com excesso de peso entre as pessoas com um nível de educação baixo era de 59%, enquanto era de 54% para as pessoas com um nível de educação médio e 44% para os adultos com um nível de educação elevado.

Do mesmo modo, 20% dos adultos com um nível de escolaridade baixo, 17% com um nível de escolaridade médio e 11% dos adultos com um nível de escolaridade elevado eram obesos na UE.

PUBLICIDADE

Causas da obesidade e sugestões para travar o aumento

De acordo com o relatório da OCDE, o aumento da prevalência da obesidade é impulsionado por vários fatores comportamentais e ambientais. Estes incluem a urbanização, o aumento do comportamento sedentário e a disponibilidade e comercialização generalizadas de alimentos de elevado valor energético.

"Os grupos socialmente desfavorecidos estão particularmente expostos ao risco de se tornarem obesos, quer devido a hábitos alimentares menos saudáveis, quer devido à falta de atividade física", refere o relatório.

"A obesidade é uma doença complexa e multifatorial", escreveu Hans Kluge, Diretor Regional da OMS para a Europa, no relatório. Isto significa que nenhuma intervenção isolada pode travar o aumento da crescente epidemia de obesidade.

Pode calcular facilmente o seu IMC no sítio Web do NHS e verificar se tem excesso de peso.

PUBLICIDADE
Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Estudo associa os alimentos ultra-processados a um maior risco de doença cardiovascular e mortalidade

Poderá o arroz rosa ser o alimento do futuro? Cientistas dizem que é mais nutritivo que o arroz normal

Cientistas associam alimentos ultraprocessados a 32 problemas de saúde