Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Presidente da Geórgia: "Não somos suicidas, não queremos confrontar a Rússia"

Presidente da Geórgia: "Não somos suicidas, não queremos confrontar a Rússia"
Tamanho do texto Aa Aa

Na Geórgia, desde a “Revolução da Rosas”, de 2003, as políticas do país foram personificadas por um homem.

Mikhail Saakashvili ganhou duas eleições presidenciais e sobreviveu a uma guerra com a Rússia.

A Geórgia tem como metas juntar-se à União Europeia e à Nato, ampliando assim as crispações com Moscovo.

Na semana passada, nas ruas de Tbilisi, manifestantes acusaram Saakashvili de monopolizar o poder.

No Ocidente grupos de defesa dos direitos humanos acusaram a policia local de uso “excessivo” da força para travar os protestos.

Dias depois, quando Mikhail Saakashvili falou à Euronews, o ambiente era muito diferente.

O homem que gosta ser chamado de “Misha” escolheu um parque público, perto do palácio presidencial, para a entrevista.

Euronews:

Senhor Presidente, a sua admiração pelo Ocidente é bem conhecida… Quão ocidental é hoje a Geórgia?

Presidente da Geórgia, Mikhail Saakashvili:

Bem, eu penso que é uma das mais velhas nações cristãs, sempre quis ser ocidental, mas esteve sempre alienada, geograficamente, do Ocidente. É quase como o sonho que nunca se tornou realidade, mas esteve sempre lá, esteve sempre por perto. E temos a felicidade de o país ter sobrevivido, e agora talvez tenhamos a oportunidade de voltar às nossas raízes históricas ou voltar para a Europa. Vamos ver.

Euronews:

Fala sobre os progressos que o país fez desde a Revolução da Rosa. Mas assistimos, igualmente,

a problemas que são visíveis nos protestos da semana passada, marcados por alguma violência. Como explica esses acontecimentos?

Saakashvili:

Nós temos grupos que não se candidatam ao Parlamento, ou a quaisquer lugares mas que têm total acesso à televisão, por outro lado dizem que não podem contar com as pessoas que os apoiam… e dizem que querem depor o governo pela violência ou por outro tipo de meios. Mas a boa notícia é que eles não são numerosos.

Nós decidimos, no último minuto, dar a entrevista aqui espontaneamente. Não escolhemos pessoas para estarem aqui e, como vê, este é um bairro amigável. O que não significa que votem todos em mim, aposto que alguns deles não o fazem, mas estão aqui e as pessoas, neste contexto, são amigáveis. Por isso é seguro mas há pessoas que, por vezes, querem expressar-se de formas violentas, isso é lamentável, eu lamento isso.

Euronews:

Mas os grupos que defendem os direitos humanos criticam aquilo a que chamam de violência excessiva por parte da polícia…

Saakashvili:

O embaixador da União europeia disse claramente que as ações do governo eram legítimas, e mesmo que algumas pessoas possam reivindicar – como ele disse – que houve um uso excessivo da força, é muito difícil confirmá-lo. E eu seria, certamente, o último a querer usar a violência. Há um procedimento legal, nós estamos a atualizar a nossa polícia e penso que eles agiram muito mais profissionalmente que no passado, mas penso que ainda não é o ideal. O problema é que debater-se com radicalismos e violência é mau, principalmente quando há vítimas, quando os carros dos manifestantes vão contra as esquadras de polícia matando alguns oficiais e ferindo outros gravemente, nessa altura os ânimos exaltam-se. Nós tentamos acalmar os ânimos mas claro que precisamos de nos atualizar.

Euronews:

O senhor reconheceu que há problemas sociais subjacentes. Por exemplo, indicou um problema geracional, diz que a Geórgia é muito jovem… mas há muitas pessoas mais velhas que talvez estejam excluídas, são pobres, estão desempregadas e não beneficiam da evolução que o país tem conhecido.

Saakashvili:

Sim, houve alterações geracionais aqui. Para encontrarmos novas abordagens vimo-nos obrigados a duras reformas. “Despedimos” 90% da burocracia depois da Revolução da Rosa, despedimos todas as forças de polícia na Geórgia. Sempre que há uma manifestação nas ruas é mais do mesmo: são antigos polícias, despedidos há alguns anos. Quando despedimos essas pessoas sabíamos que iríamos enfrentar problemas. Mas as pessoas acostumam-se quando a situação melhora: hoje temos uma taxa de criminalidade cinco vezes menor do que tínhamos, somos o segundo país mais seguro na Europa e somos um dos três países menos corruptos. Mas isso custou-nos um preço muito alto, nós alienámos certas pessoas na sociedade local, e estas pessoas vão sempre lutar contra nós. Mas nós temos que controlar isto através de algum tipo de diálogo político e explicando a toda a gente que não vamos voltar atrás.

Euronews:

Mencionou o diálogo político, um dos maiores problemas da Geórgia são as relações com a Rússia, dado tudo o que tem acontecido. Estas questões não o preocupam?

Saakashvili:

Estou muito preocupado com a Rússia, e com o facto de a Rússia não fazer reformas e tentar ficar mais forte em termos de formação militar e agressividade para com os vizinhos. Também estou preocupado com o facto de a Rússia ficar mais fraca, porque eles têm grandes problemas estruturais, institucionais e de corrupção. E a questão aqui é que temos de encontrar um equilíbrio. Precisamos de uma Rússia mais compreensiva, mais liberal, mais aberta à modernidade e com essa Rússia podemos encontrar um idioma comum. Nós não somos suicidas, não queremos confrontar a Rússia, já vimos os maus resultados disso. Por outro lado, queremos ser livres e estar por nossa conta e não queremos voltar a estar debaixo da asa da velha russa imperial – que é basicamente uma ficção mas que ainda está lá fora nas mentes de alguns políticos, como o Primeiro-Ministro, Putin. É um desafio grande para países pequenos e vulneráveis como a Geórgia.

Euronews:

A sua viragem para o Ocidente antagoniza com a Rússia, é possível fazer mais em termos de abertura?

Saakashvili:

O nosso avanço em direção ao Ocidente não tem a ver com prioridades geopolíticas, baseia-se nos nossos próprios valores internos. E eu penso que uma sociedade aberta – tolerante, democrática, transparente – é algo que nos aproxima, mais ou menos, de um modelo europeu. Nós não queremos ter más relações com os nossos vizinhos. A última coisa que se pretende, para se ser uma sociedade aberta – como um centro para a região – a última coisa se deseja é alienar o seu maior vizinho. Mas como normalizar essas relações? Eu penso que ainda passa por modernizar a Rússia, por algum tipo abertura da parte deles e, eles deveriam deixar o nosso território retirar todas as tropas e bases que aqui têm e deixarem-nos ser nós próprios. Nessa altura terão bons amigos na Geórgia.

Euronews:

Mencionou o Primeiro-ministro Putin. No que diz respeito à sua posição foi sugerido que, depois de ser presidente, poderia querer ser primeiro-ministro.

Saakashvili:

Eu acho que a Geórgia tem um sistema totalmente diferente. Penso que agora estamos focados em reformas importantes para os próximos dois anos e meio. O meu mandato ainda dura dois anos e meio, é quase uma eternidade para nós. Quando temos todos estes desafios, aquilo que eu quero evitar é um “pato manco”. O debate sobre o meu cargo futuro não é uma prioridade. Uma coisa posso assegurar-lhe, a Geórgia terá uma transição democrática, terá uma sociedade muito mais aberta, no futuro a Geórgia não será gerida por uma pessoa ou um grupo pequeno de pessoas. Este é um país onde a aposta na política deveria ser maior, temos que ser mais liberais, ter as mentes mais abertas e ser mais igualitários em termos de quem está à frente dos nossos destinos. E eu vou garantir que isso acontece, seja qual for o meu cargo no futuro.