Última hora
This content is not available in your region

Regime iraniano prossegue com detenções de jornalistas

Regime iraniano prossegue com detenções de jornalistas
Tamanho do texto Aa Aa

São já 16 os jornalistas iranianos detidos em Teerão desde o passado domingo.

As últimas detenções tiveram lugar ontem, segundo a ONG Repórteres Sem Fronteiras e representantes da Campanha Internacional pelos Direitos Humanos no Irão.

O regime iraniano acusa os jornalistas de colaborarem com “uma rede mediática ligada ao Ocidente”.

Meios estrangeiros com emissões em língua persa, como a BBC, a Voice of America ou a Radio Free Europe são acusados por Teerão de cooperarem com governos ocidentais para destabilizar o regime iraniano.

A vaga de detenções acontece a poucos meses das eleições presidenciais de Junho e é interpretada por muitos como uma forma de tentar evitar a repetição do Movimento Verde que contestou nas ruas o resultado das eleições de 2009.

Reihaneh MAZAHERI, euronews: “A ONG Repórteres Sem Fronteiras, que tem acusado sistematicamente o Irão de atentar contra a liberdade de expressão, reagiu, em comunicado, à nova vaga de repressão contra jornalistas no país.

Estamos em contacto com Reza Moini, responsável da ONG para o Irão, o Tajiquistão e o Afeganistão, que se encontra em Paris.

Senhor Moini, três dias depois de iniciar a nova vaga de detenções de jornalistas, o Ministério iraniano dos Serviços Secretos acusou, num comunicado, os detidos de “colaborarem com meios de comunicação em língua persa fora do Irão”. O comunicado explicava também que as detenções iam continuar. Qual pensa ser a razão para estas detenções?”

Reza Moini: “No comunicado que nós próprios emitimos um dia depois das primeiras detenções – o dia agora conhecido como “Domingo Negro” -, falámos na possibilidade de novas detenções. Lamentamos que o Ministério dos Serviços Secretos da República Islâmica do Irão mantenha a mesma visão há anos a fio. Continua a lançar acusações contra jornalistas o que, na nossa perspetiva, não é a resposta adequada à crise no Irão. O facto é que, apesar de todas as ‘linhas vermelhas’ e de toda a censura, os jornalistas no Irão estão a tentar informar e, mesmo a esse nível, é algo que não é tolerado pelo regime.”

euronews: “Para além da Repórteres Sem Fronteiras e da Human Rights Watch, mais de duzentos jornalistas iranianos, dentro e fora do país, protestaram em comunicado contra as detenções. Estas reações ajudarão a mudar o comportamento do regime iraniano?”

RM: “Estamos no trigésimo quarto aniversário da chegada do Ayatollah Khomenei ao Irão. Nestes 34 anos, têm-se repetido as repressões contra jornalistas, mas o importante é não ficar em silêncio. Nestes casos, todas as organizações humanitárias, bem como jornalistas iranianos dentro e fora do país, podem, sem dúvida, ter um papel preponderante nos protestos contra as detenções de colegas de trabalho. Devemos sublinhar o facto de que, 34 anos depois do início do regime islâmico, o Irão é infelizmente uma das maiores prisões para jornalistas do Mundo. Atualmente, 62 jornalistas e ‘bloggers’ da República Islâmica estão na prisão.”

euronews: “Para além de um comunicado, que outras medidas está a tomar a Repórteres Sem Fronteiras para responder à recente repressão?”

RM: “A nossa função é informar e difundir os factos sobre a situação, no que diz respeito à liberdade de expressão, à liberdade da imprensa e à liberdade de informação. Há dois dias, a Repórteres Sem Fronteiras publicou um ‘ranking’ da liberdade de imprensa e, entre 179 países, o Irão está na posição 174”.

euronews: “Devemos esperar uma nova vaga de emigração de jornalistas iranianos?”

RM: “Infelizmente, um sistema repressivo provoca sempre algum tipo de êxodo. Um grande número de jornalistas foram convocados e detidos em Teerão e noutras cidades. Só em Teerão, foram detidos até ao momento 16 jornalistas. Penso que esta nova vaga de detenções pode conduzir a mais repressão e pode levar mais jornalistas a sairem do país”.