Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Líder norte-coreano refirma poder com provocações internacionais

Líder norte-coreano refirma poder com provocações internacionais
Tamanho do texto Aa Aa

Retórica de guerra, ameaças, provocações, continuação dos testes nucleares, a Coreia do Norte, regime totalitário e fechado ao mundo, continua fiel e de forma hereditária, no mesmo registo há várias décadas. .
Vamos falar com a nossa convidada dentro de instantes, sobre tomar ou não estas ameaças a sério. Mas, entretanto, recordemos os últimos acontecimentos.

A Coreia do Norte cortou o último canal de comunicação com a Coreia do Sul e anuncia que a guerra pode eclodir em qualquer momento.
Na passada terça-feira, Pyongyang publicou umas fotos do líder comunista, Kim Jong-Un, a supervisionar uma manobra militar sem especificar a localização e, através da televisão estatal, advertiu o Conselho de Segurança da ONU de que “agora a península coreana está numa situação de guerra nuclear iminente devido às provocações de Estados Unidos e das marionetas sul-coreanas”.

O regime de Pyongyang colocou as Forças Armadas em alerta de combate e os mísseis apontam para as bases norte-americanas no Pacífico e para o continente. Um cidadão autorizado a falar repete a retórica bélica:

Kim Tong Uk:

“Como se atrevem os yankees, esses lobos disfarçados de pessoas, a atentar contra a dignidade de nosso líder supremo? O exército e a população estão preparados. Mal o nosso respeitado líder supremo, o comandante Kim Jong Un nos dê a ordem, nós juntamo-nos como um só para destruir os feudos das forças norte-americanas e apagar esses yankees da face da terra.”

Por agora, os mísseis de médio alcance norcte-coreanos só podem chegar às bases norte-americanas no Japão e na Coreia do Sul, mas o Pentágono vai reforçar a defesa antimíssil e colocar 14 escudos intercetores suplementares no Alaska até 2017.

Washington leva muito a sério as ameaças de Pyongyang:

Patrick Ventrell, porta-voz do Departamento de Estado norte-americano:

“Os Estados Unidos podem perfeitamente defender-se e defender os aliados de um ataque norte-coreano e estamos firmemente comprometidos com a defesa de Coreia do Sul e do Japão.”

O aumento da tensão bélica coincide com o terceiro aniversário do naufrágio da corveta sul-coreana Cheonan. Seul acusa Pyongyang de ter torpedeado o navio e ter provocado a morte dos 46 marinheiros.

A Coreia do Norte negou sempre o envolvimento nos factos e dirigiu a cólera contra a presidente sul -coreana, a quem aconselhou a “ter tento na língua”, a seguir às declarações:

Park Geun-Hye:

“A Coreia do Norte devia deixar-se de armas nucleares, de mísseis, de provocações e ameaças e converter-se num membro responsável da comunidade internacional. É o único meio para sobreviver.”

O teste nuclear de 12 de fevereiro, o terceiro da Coreia do Norte, acarretou ao regime novas sanções da ONU e ameaças de represálias por parte de Pyongyang.

Juliette Morillot é jornalista na Revue, uma revista mensal que dedicou o número de hoje à energia nuclear iraniana e norte-coreana. Também é especialista da Coreia, onde viveu.

Sophie Desjardin, euronews – Estamos habituados às ameaças norte-coreanas, principalmente às que chegam depois de cada manobra conjunta dos Estados Unidos e da Coreia do Sul, mas as ameaças diretas contra o inimigo norte-americano são novas, não são?

Juliette Morillot – Sim, é verdade que é novo. Há anos que a Coreia do Norte alterna fases de provocação com fases de acalmia, momento em que, geralmente, a Coreia aceita, por iniciativa da China, regressar à mesa de negociações a seis sobre a desnuclearização da península. Estas fases costumam alternar-se com regularidade, mas é verdade que, de momento, houve uma certa escalada de tensão.

Por um lado, porque é um novo dirigente, como em toda a região, praticamente. Na China há uma nova equipa, na Coreia do Sul há uma nova presidente, no Japão há um novo primeiro-ministro. Por issso é tão importante para Kim Jong Un marcar a sua posição. Mas o tom subiu também porque Kim sabe utilizar muito bem os Media e precisa, repito, afirmar o próprio poder. Por isso foi tão longe. vamos ver se não há resco de confronto.

euronews – A Coreia do Norte está completamente isolada no plano internacional, mesmo a China, último aliado económico, subiu de tom. Que procura o regime deste jovem líder?

JM – Para a China, este aliado extremamente turbulento é motivo de grande embaraço, porque a China gostava de se alinhar com as nações internacionais, mas não vai abandonar a Coreia do Norte, com quem tem uma aliança histórica. Por outra lado, a Coreia do Norte não vai deixar que a China lhe dite nada de nada. Por isso considero que a China pode intervir e provavelmente, moderar as ameaças de Kim Jon Un, mas não vai poder ditar a conduta do regime de Pyongjang.

euronews – Mas, o que pode ganhar Kim Jon Un com estas provocações?

JM – O momento eleito para esta escalada de provocações foi bem escolhido. Todos os aniversários, importantes para a nação norte-coreana, celebram-se na primavera, por isso é vital ter todo o em torno do líder, e isso é o que Kim Jon Un está a fazer.
Face ao mundo, Kim Jon Un utiliza de uma forma bastante hábil o statu quo que há na região, e quer diálogo.

Quando falo de in statu quo, quero dizer que no fundo, não interessa a ninguém que a Coreia se reunifique. A Coreia do Sul, tem como exemplo a Alemanha, e não quer baixar o seu nível de vida. A China também não quer ter uma Coreia reunificada, nuclearizada e democrática à porta. Também ao Japão não interessa uma Coreia unida no sentimento anti-nipónico, e quanto aos Estados Unidos, é preciso não esquecer que, face ao aumento da potência militar da China, também não lhe convem perder as bases de Okinawa e Guam, que são as que estão agora no ponto de mira, e as da Coreia do Sul. Assim, Kim Jon Un utiliza todos esses elementos e aproveita-se do statu quo, que é uma espécie de jogo de armadilhas à escala internacional.