Última hora
This content is not available in your region

Parsifal de Wagner no Met de Nova Iorque

Parsifal de Wagner no Met de Nova Iorque
Tamanho do texto Aa Aa

A ópera Parsifal de Richard Wagner voltou recentemente ao Metropolitan Opera de Nova Iorque e o carismático tenor alemão Jonas Kaufmann apresentou-se no seu melhor.

Parsifal, a última ópera do compositor alemão, desenvolve-se em redor do Santo Gral, conta uma história complexa e mistura elementos filosóficos, éticos e religiosos. Um drama místico que fala do “inocente herói de coração puro”. Como diz Jonas Kaufmann: “Se começarmos a mergulhar em todas essas camadas acabamos por nos incendiar. É algo fantástico e único, como uma viagem transcendental, uma experiência muito misteriosa.”

Vida própria

“Wagner é como fazer ioga – o auto controlo é tudo”, disse o maestro israelita Asher Fisch, que conduziu a orquestra nas últimas duas produções: “Em Parsifal, há que se aceitar, o ritmo interior da peça provém de uma tranquilidade completa. É como tentar baixar o pulso e a pressão sanguínea para fazer a música falar a língua certa, e é um processo muito difícil.”

Kaufmann acrescenta: “É uma experiência muito filosófica e faz-nos pensar no falhanço da humanidade, e no que poderia acontecer se o homem seguisse a ideia “de que o tonto, que nada sabe, acabará iluminado pela piedade e misericórdia que sente pelos outros”. Se formos por aí não haverá guerras, apenas paz, em toda a parte.”

O tenor alemão sublinha a natureza religiosa da ópera: “Houve pessoas que me disseram que esta ópera faz-nos voltar a perceber porque somos cristãos. Alguém na audiência disse à pessoa do lado que sentia muita inveja dos que eram critãos.”

“Alma” num Wagner não religioso

O maestro israelita recusa a teoria da conversão religiosa de Wagner: “Surpreende que Wagner, que não é uma pessoa religiosa, apresente-nos esta peça no final da sua vida, que parece completamente religiosa. Não aceito o facto de Wagner se ter tornado religioso; ele era uma pessoa muito crítica e penso que existe uma certa crítica contra a forma como a instituição religiosa utiliza, de forma tradicional, a religião.”

Mas Kaufmann prefere falar da música: “Ao fim de uma ou duas horas, todo o mundo cede e começa a verdadeiramente ouvir e concentrar-se, mais e mais, e é-se sugado pela música desta peça de Wagner. Demora o seu tempo, mas se isso acontecer, é algo único, algo que nunca se vai esquecer.”

Para ouvir mais excertos da entrevista com o tenor Jonas Kaufmann e maestro Asher Fisch, conduzidas em língua inglesa, por favor clique no link:
Jonas Kaufmann, Asher Fisch: interview extras