Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

A Tunísia dois anos depois da Primavera Árabe

A Tunísia dois anos depois da Primavera Árabe
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Dois anos depois da Primavera Árabe ter feito cair o antigo regime, trazendo a democracia, a via continua a ser difícil para uma grande parte da Tunísia.

O governo islâmico do presidente Moncef Marzouki dirigido pelo partido moderado Ennahda não conseguiu, até ao momento, recuperar a economia. O desemprego e a inflação mantêm-se elevados.

O assassinato do opositor Chokri Belaid, em Fevereiro, provocou grandes manifestações. O governo combate salafistas e outros extremistas islamitas. Mas a oposição continua profundamente dividida e os salafistas reclamam um Estado islâmico para substituir a recente democracia.

De que forma as eleições que terão lugar este ano poderão mudar a paisagem política? Ou está a Tunísia condenada a mais instabilidade? E que papel deverá ter a União Europeia na estabilização da Tunísia e dos outros governos da região?

Nesta edição de The Network, Latifa Habbechi, membro do partido Ennahda e deputada tunisina, Youssef Ben Abdeljelil, presidente do partido da oposição Nidaa Tunes na Bélgica e no Luxemburgo, e Michael Gahler, eurodeputado e chefe dos observadores da União Europeia para as eleições tunisinas de 2011, respondem às questões de Chris Burns.