Última hora
This content is not available in your region

Como conseguir um emprego melhor

Como conseguir um emprego melhor
Tamanho do texto Aa Aa

Depois de um longo período de desemprego, é frequente ficar-se desmotivado, sobretudo quando o mercado de trabalho parece oferecer poucas oportunidades.

Na Holanda, um programa por medida para combater o desemprego jovem de longa duração consegue obter bons resultados e até já exporta o método para outros países.

O método desenvolvido por Peter Van Schie, director do “Werkcenter” faz a ponte entre as competências dos jovens desempregados e as oportunidades reais de trabalho.

Além da aquisição de competências práticas, os jovens aprendem a lidar com os problemas pessoais que podem dificultar a integração profissional.

“O nosso modelo integra a aquisição de experiência profissional, em condições reais e um treino a nível profisisonal e pessoal. Às vezes, os jovens são competentes mas os problemas da vida acabam por ter um impacto ao nível do trabalho e é preciso aprender a lidar com isso. Trata-se de uma abordagem global”, afirma Peter van Schie, director do “Werkcenter”.

Stefen não terminou o ensino secundário, começou dois cursos que não acabou e ficou em casa ano e meio sem trabalhar. Nem sequer sabia o que queria, em termos profissionais. Depois de um período de treino, começou o estágio na Escócia.
Uma experiência que lhe mudou a vida.

“Inscrevi-me neste programa porque estive desempregado durante muito tempo. Sabia que teria de enfrentar um novo desafio e compreender melhor o que queria em termos pessoais e profissionais. Se não nos sentimos estáveis a nível pessoal também não teremos estabilididade profissional”, conta Stefan.

Na Escócia, os jovens trabalham para uma instituição de caridade.
A Quarriers ajuda deficientes e pessoas sem abrigo e está a aprender a dar formação profissional de acordo com o programa holandês.

Após o estágio intensivo de três meses, Ivar espera encontrar emprego quando regressar à Holanda.

“Durante três meses recebi subsídio de desemprego porque não tinha alternativa. Mas prefiro trabalhar do que receber subsídio”, garante o jovem de 27 anos.

Mais pessoas a trabalhar ou em formação e menos pessoas a receber subsídio. É um dos objetivos do chamado modelo holandês.

“Não se consegue o emprego de sonho logo no primeiro dia. Quando se termina a escola secundária, é preciso trabalhar até obter o emprego de sonho. Eu digo sempre, trabalha, mesmo que não seja o emprego ideal, mas a partir desse emprego podes encontrar outros empregos. É mais fácil passar de um trabalho para outro do que do subsídio para um trabalho”.

“Não tem de ser o emprego perfeito. Só o facto de estar a fazer alguma coisa já é muito importante”, sublinha Kimberley.

A jovem de 22 anos sonha em abrir uma loja de animais de estimação mas ainda não conseguiu um empréstimo bancário. Enquanto espera, o estágio permite-lhe voltar à vida ativa depois de mais de um ano no desemprego.

Além da Escócia, este programa holandês premiado a nível europeu, foi testado em Itália, Espanha e Alemanha.

“O nosso programa centra-se na aquisição de competências profissionais e tem em conta a especificidade de cada caso. Que estudos fez? Deixou a escola ? Não faz mal, vamos ver qual é o melhor trabalho para esse pessoa e o que podemos fazer com as competências e a experiência que essa pessoa tem”, resume Peter Van Schie.

Em média, 70% dos participantes, consegue um emprego ou inicia uma formação profissional.

Para muitos, o mais importante é voltar a sentir-se motivado.

“Quando estamos desempregados pensamos que ninguém nos vai dar trabalho. Ficamos um pouco desesperados. Quando temos a oportunidade de voltar a trabalhar é ótimo porque sentimos que voltámos a ser importantes. É uma das coisas que vou levar comigo, quando regressar casa, porque eu sou importante e há trabalhos que eu sei fazer”, confessa Kimberley.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.