Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Gripe das aves poderá transmitir-se entre humanos

Gripe das aves poderá transmitir-se entre humanos
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Afinal, a gripe das aves poderá transmitir-se de humano para humano. A conclusão é dos cientistas do Centro de Controlo de Doenças da província de Jiangsu, na China, que publicaram um estudo a explicar que o vírus poderia ter sido transmitido pela primeira vez de pai para filha no leste da China, em março passado. O documento, que identifica a primeira transmissão “provável” entre humanos, foi publicado esta quarta-feira na revista British Medical Journal.

Segundo a AFP, o pai, de 60 anos, frequentava um mercado de aves com frequência e foi infetado pelo vírus e hospitalizado a 11 de março. Seis dias depois do último contacto com o pai, a filha, de 32 anos, ficou doente, apesar de nunca ter tido contacto com as aves. Ambos acabariam por morrer dias depois.

O vírus H7N9 transmite-se normalmente das aves para as pessoas. Este ano, na China, infectou mais de 130 pessoas e matou 43. Após uma acalmia no verão, a gripe poderá voltar a aparecer no Outono, de acordo com outro estudo publicado na revista The Lancet por um grupo de cientistas de Pequim e de Hong Kong.

Por isso, os virologistas estão determinados em encontrar uma arma para evitar a eventual transmissão humana do vírus. Esta quarta-feira, um grupo internacional de investigadores publicou uma carta nas revistas Science e Nature a propor a criação, em laboratório, de mutações no vírus, tornando-o facilmente transmissível de humano para humano e capaz de resistir aos antivirais. O objetivo é evitar uma possível pandemia deste vírus. Como? “Encontrando aquilo que faz deste agente patogénico algo potencialmente mortal para o homem e os meios para travar a sua transmissão”, explicam os cientistas.

No entanto, a proposta é controversa à luz das ameaças do bioterrorismo Em 2011, as autoridades norte-americanas tinham bloqueado a publicação dos estudos da equipa de Ron Fouchier, do Centro Médico Erasmus, em Roterdão, na Holanda, e Yoshihiro Kawaoka, da Escola de Medicina Veterinária, da Universidade de Wisconsin-Madison, nos Estados Unidos. Em causa, os riscos de bioterrorismo ou a possibilidade que um vírus deste tipo pudesse escapar do laboratório.