Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

"Operalia" de Plácido Domingo celebra 20 anos

"Operalia" de Plácido Domingo celebra 20 anos
Tamanho do texto Aa Aa

Em parceria com:

Verona é conhecida, mundialmente, pela sua arena romana e pelo festival de ópera… Mas a cidade italiana foi também escolhida para receber a vigésima edição da mais prestigiada competição de ópera do mundo.

“Operalia” é uma competição única que vê nascer gerações de estrelas. Este ano, seiscentos cantores concorreram mas apenas doze chegaram à final. Um espetáculo emocionante, onde se apresentaram perante um público internacional formado por amantes de ópera – público e profissionais.

Por detrás desta competição está a generosidade de Plácido Domingo:

“Pensei sempre fazer um concurso um pouco diferente, que me permitisse acompanhar os vencedores, ou seja, não se limitarem a ganhar um prémio e não nos voltarmos a ver… Queria trabalhar, dar concertos, levá-los aos teatros onde a minha palavra conta… Diria que é um empurrão, uma ajuda que pode acelerar um pouco as suas carreiras.”

Estas futuras estrelas foram avaliadas pelos melhores do mundo na gestão e produção de ópera. Jean-Louis Grinda foi um dos membros do júri:

“É trabalho, mas é também um prazer porque representou uma descoberta maravilhosa, artistas que não conhecíamos: jovens chineses, russos, sul-americanos… Vi grandes cantores, alguns que eu e os meus colegas já contratámos. É uma emoção descobrir um artista e dizer, “Uau! Ele tem um verdadeiro talento!”

A soprano francesa mostrou-se “um verdadeiro talento” e conseguiu o segundo lugar na competição. No final, o primeiro prémio foi entregue à soprano russa Aida Garifullina:

“Eu amo ópera, vivo esta música a cada segundo… Quero aprender mais, uma música nova todos os dias, novas árias… e sabe qual é a coisa mais importante? Que as pessoas me amem, é com isso que eu sonho, não quero apenas cantar em algum lugar, quero que as pessoas adorarem a minha atuação, a minha voz, a minha alma.”

Na categoria masculina o vencedor foi um baixo-barítono chinês, Ao Li:

“Antes da final queria cantar “Madamina”, de Don Giovanni, a ária de Leporello, a ária do catálogo, mas o Maestro Domingo disse: “se cantas “Madamina” jogas alto mas se cantares Aleko – que foi o que fiz esta noite – podes cantar «mais». Esta noite, a minha voz… senti-a florescer, foi fantástico!”

“Para mim é um privilégio participar no nascimento destas jovens promessas que se tornam estrelas da ópera. É fantástico ajudá-las. Trabalhamos para que isto seja algo que continue, se Deus quiser, para sempre”, desabafa o tenor Plácido Domingo.