Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Hey! Acabem com o bullying!

Hey! Acabem com o bullying!
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Seamus Kearney, euronews: “O bullying entre os jovens não é novidade. Mas aumenta a necessidade da tomada de consciência sobre o impacto devastador na vida das pessoas e de encontrar métodos eficazes para combater e prevenir o bullying.”

Muitos países têm iniciativas para resolver o problema, até existem leis para o efeito. O bullying também é uma realidade no ciberespaço e o debate sobre qual será a melhor solução para o evitar aumenta.

A Dinamarca é um dos países onde esta questão é muito discutida. Inquéritos feitos no final dos anos 90 mostraram que um quarto dos jovens entre os 11 e os 15 anos já tiveram alguma má experiência relacionada com bullying.

Falámos com uma adolescente que sofreu com este assédio durante quatro anos: “Os meus professores ajudaram-me em tudo o que podiam, mas isso não ajudava com os outros alunos, então tive que mudar de escola.”

“Bullying por causa do meu nome, pensavam que o meu nome não era dinamarquês. Intimidavam-me dizendo que era gorda. O bullying era relacionado com tudo o que dizia e fazia. Por isso tive que mudar de escola.”

Em muitos países, as campanhas anti-bullying incentivam as crianças a procurar ajuda. Pais e professores também estão sob pressão para vigiar bem de perto os alunos mais vulneráveis ​​e a tomar medidas quando os casos acontecem.

Outros especialistas dizem que as atitudes devem mudar entre aqueles que testemunham o bullying e não tomam nenhuma atitude. Visitámos um jardim de infância em Copenhaga, que juntamente com muitas escolas primárias tem um programa de prevenção denominado: “Livre de Bullying”.

Um projeto conjunto da organização “Save the Children” na Dinamarca e uma fundação criada pela Princesa Mary. O programa foi iniciativa da princesa, inspirado num projeto australiano com a mesma orientação.

Ensina os mais pequenos a serem bons amigos, a fortalecerem o espírito de grupo e a dizerem “stop”, se forem alvo de bullying.

As massagens são outro elemento-chave do programa, para incentivar a empatia e a importância de cuidar dos outros.

Os organizadores esperam transmitir valores fundamentais de tolerância, respeito, cuidado e coragem, para criar relações positivas na infância e na vida adulta.

De acordo com o professor Lasse Lynaes: “Há muitas crianças que não têm confiança, que sentem que estão a ser intimidadas e isso começa no jardim de infância. Se não se acabar com isso, aqui e agora, vai continuar. Se tiver sido vítima de bullying, pode tornar-se numa daquelas que vai intimidar outras mais tarde. É importante travar o assédio nesta altura”.

Seis funcionários deste jardim de infância foram treinados para executar as atividades do programa e o papel dos pais é muito importante.

Marianne Bjerg, a mãe de um menino, que faz parte da iniciativa, diz que tem visto muitos resultados positivos: “Ele tinha um ano e meio. Disse algumas palavras. Disse a palavra “stop”, dizia-a sempre quando não gostava de alguma coisa. E conseguimos ver a empatia. Em nossa casa é muito importante aprender a empatia em relação a outras crianças ou a outros seres humanos, a importar-se. Noto que se ele vê que alguém está a sofrer ou se eu estou triste, ele pergunta-me se estou bem. É nessas alturas que vejo que o programa funciona.”

Seamus Kearney, euronews: “Desde que foi lançado em 2007, o programa Livre de Bullying é agora usado em 30% dos jardins de infância dinamarqueses e num quarto das escolas primárias.”

Escolas na Groenlândia também introduziram o programa e existe interesse por parte de outros países, como da Estónia. Na Dinamarca acredita-se que as atitudes estão a mudar para melhor, os inquéritos sugerem que os incidentes relacionados com o bullying estão a diminuir. A nível europeu, a UE também está a definir que medidas pode tomar e como pode apoiar os sistemas nacionais de proteção às crianças.

Os especialistas defendem que há também uma necessidade de identificar e espalhar a palavra sobre as boas práticas que geram bons resultados.