This content is not available in your region

Desafios da monarquia espanhola

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Desafios da monarquia espanhola

Felipe VI está pronto para suceder ao pai e ser proclamado Rei de Espanha, tendo conhecimento dos enormes desafios que o esperam. O único filho varão, irmão de duas princesas, foi educado para reinar e preparou-se toda a vida para este momento.
“Permitam-me reiterar publicamente o meu compromisso e a minha convicção em dedicar todas as forças com esperança e entusiasmo, à emocionante tarefa de continuar a servir os espanhóis e a nossa querida Espanha”
Mas os escândalos, que afetaram alguns membros da Família Real são continuamente exaltados pelos republicanos, que pedem um referendo, e pelos catalães, que querem a independência. O novo rei terá de se esforçar para preservar a união do país
Letícia faz tudo para impôr um estilo moderno e aparentemente simples. O seu passado como jornalista e o percurso de 10 anos como mulher de um futuro rei e mãe de uma futura raínha, contribuiram para a popularidade do casal.
Mas Filipe VI herda a Coroa de uma Espanha em crise, com uma taxa recorde de desemprego e muitas pessoas descontentes.
Para isso contribuiram a princesa Cristina e o marido, Iñaki Urdangarin, envolveram-se num escândalo financeiro, que eclodiu em 2010, e ainda não está resolvido.
A monarquia juancarlista, que marcou a transição da ditadura para a democracia, foi muito popular pelo contexto que se vivia no século XX, da necessidade de união. As condições agora são outras: há muito regionalismo e a polulação está dividida quanto ao sistema político.
Para analisar as mudanças na monarquia espanhola e os desafios que esperam Filipe VI, apresentamos um duplex de Madrid, com o Professor de Ciência Política, Fernando Vallespín.
Mario Alfaro, euronews – No anúncio da abdicação, o Rei Juan Carlos disse decidido abrir caminho para uma nova geração. Acha que a sucessão vai alterar algo na sociedade espanhola?

Fernando Vallespín – Sim, acho que há uma mudança, não apenas simbólica, mas na realidade do contexto político. O rei Juan Carlos enfatizou duas ideias: a primeira é a estabilidade e a segunda é a renovação. Considero que é o que se pretende atualmente: construir um conjunto de reformas que provavelmente vão originar a alteração da própria Constituição. Em Espanha, apercebemo-nos de um certo esgotamento do modelo da democracia, da Constituição de 1978, que foi muito influenciado pelo início da democracia, e agora o país enfrenta outros desafios políticos de grande importância, e o primeiro e o mais essencial é a reorganização territorial do Estado

euronews – Vários setores da sociedade pedem um referendo sobre o sistema político do Estado, mas entre a abdicação de Juan Carlos I e a proclamação de Filipe VI, s’o passaram duas semanas. Será uma tentativa para evitar o debate entre monarquia e a república?

Fernando Vallespín – Creio que o debate está fora de questão pois seguimos as disposições previstas na Constituição. No Congresso espanhol, uma maioria superior a 80% respeitou essas medidas. Do ponto de vista institucional, a Constituição foi respeitada quanto à sucessão do rei Juan Carlos. Há muitos setores que não são monárquicos, há mesmo alguns que são republicanos e que querem pressionar a organização de um referendo.

euronews – Os escândalos recentes afetaram a popularidade da Família Real. Que deve fazer o novo rei para reconquistar a confiança dos espanhois?

Fernando Vallespín – Em Espanha, a crise económica provocou uma erosão enorme na confiança política e não apenas contra os políticos, mas contra as instituições, que devem ser renovadas.Tudo tem um impacto na Coroa , nomeadamente, a necessidade de mais transparência e proximidade do povo, além de uma Coroa submissa ao controlo orçamental de outras instituições como o Parlamento.
euronews – Como pode o novo monarca ajudar na reforma da Constituição, relativamente ao problema territorial?
Fernando Vallespín – Pode ajudar facilitar as negociações entre as diferentes forças políticas. Vamos dizer que podoia assumir um papel de mediador, que nos é hoje, mais do que nunca, necessário. Poderia ainda facilitar um acordo entre as diferentes forças políticas.