Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Tunísia: O espaço dos direitos humanos em tempo de eleições

Tunísia: O espaço dos direitos humanos em tempo de eleições
Tamanho do texto Aa Aa

Pergunta de Hamed, de Londres:

“Em vésperas de eleições na Tunísia, onde se situa a questão dos direitos humanos nos programas dos candidatos?”

Resposta de Amna Guellali, Diretora da Human Rights Watch na Tunísia e Argélia:

“Aquilo que me parece é que o tema dos direitos humanos não teve, de todo, lugar nos discursos dos partidos e candidatos a estas eleições legislativas e presidenciais que deverão decorrer muito em breve, em outubro e novembro.

Antes de mais, é preciso fazer um balanço dos direitos humanos na Tunísia. Quase 4 anos após a queda do regime de Ben Ali, a situação é muito ambígua. É certo que houve avanços importantes, sobretudo com a adoção de uma nova Constituição em janeiro de 2014, que inclui um conjunto bastante relevante e completo de direitos e liberdades na Tunísia. Também houve várias mudanças no que diz respeito à liberdade de imprensa e à liberdade de expressão, que hoje em dia são uma realidade.

No entanto, noutros domínios os avanços não foram significativos. Podemos mesmo dizer que são inexistentes. É o caso, por exemplo, da luta contra a tortura e maus tratos, isto porque ainda não houve uma reforma de fundo nas forças de segurança. O sistema judicial continua a não garantir os direitos e liberdades dos cidadãos. A impunidade que prevalecia antes, continua a existir.

Há igualmente um fenómeno muito alarmante no país, que é o da violência contra as mulheres. O Estado ainda não conseguiu definir uma estratégia global para enfrentar esta questão. Os candidatos e os partidos utilizam slogans com as palavras ‘justiça social’, ‘desenvolvimento’, ‘luta contra a pobreza’. Mas não oferecem uma visão integrada sobre o que é preciso fazer para que os direitos vigorem. Fica tudo no plano da propaganda.”

Se quiser colocar uma questão no Utalk, clique na ligação abaixo