Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Protestos em Hong Kong: Preservar os objetos simbólicos

Protestos em Hong Kong: Preservar os objetos simbólicos
Tamanho do texto Aa Aa

Os manifestantes a favor da democracia em Hong Kong têm vindo a protestar para expressar a sua vontade. E agora pretendem preservar as obras de arte simbólicas, que as autoridades pretendem querem dos locais das demonstrações.

“Quando olhamos para as obras de arte e objetos continuamente, eles impulsionar a nossa moral, expressam gentilmente expressar a nossa vontade. Queremos preservar estas coisas devido às nossas necessidades emocionais”, diz Clarisse Yeung.

Já existe um armazém para guardar as obras de arte. Algumas imagens emblemáticos como a escadaria repleta de mensagens de apoio, apelidada de “Lennon Wall” é quase impossível de preservar, mas as memórias vão ser guradadas em fotografias.

O artista Miso Zhou da China pintou as cenas dos protestos. Gostaria de levar as pinturas para a China continental, mas não se opõe à sua destruição por parte das autoridades: “As obras de arte fazem parte da sociedade. Se forem destruídas tornam-se ainda mais bonitas. Terão mais história e mais significado. Este é o ponto fundamental. Acho que a arte contemporânea deve interagir com a sociedade e com a realidade. Tem mais significado dessa forma.”

O Natal já está no ar nas decorações por toda a cidade de Hong Kong e nos arranha-céus. Talvez o espírito natalício possa salvar as peças de arte, dos protestos, da destruição.