A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Israel impede que soldados israelitas sejam levados ao Tribunal Penal Internacional

Israel impede que soldados israelitas sejam levados ao Tribunal Penal Internacional
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Israel decidiu atrasar a transferência de impostos que cobra a favor dos palestinianos em retaliação contra o pedido de adesão da Palestina ao Tribunal Penal Internacional e a intenção de apresentar queixa por crimes de guerra contra Israel.
Em causa 106 milhões de euros relativos ao IVA e direitos alfandegários sobre mercadorias levadas para os territórios palestinianos e que passaram por Israel.

Numa primeira reação ao pedido de adesão da Palestina ao TPI, o primeiro-ministro israelita garantiu que “não vai deixar que os soldados israelitas sejam levados ao Tribunal de Haia”. Benjamin Netanyahu afirmou ainda que quem deviria ser levado à justiça eram os responsáveis da Autoridade Palestiniana que dão apoio ao Hamas”.

Netanyahu disse mesmo se os Palestinianos escolherem o confronto, o governo de Telavive pode mesmo avançar com processos contras os líderes palestinianos por crimes de guerra.

Do outro lado, a reação também não é pacífica. Wassel Abu Youssef, membro da Autoridade Palestiniana afirmou que “os líderes palestinianos e o povo palestiniano não vão desistir dos principais objetivos em troca de dinheiro: o direito à liberdade e à independência, o direito de voltar a ter um Estado Palestiniano com Jerusalém como capital”.

Recorde-se que Israel já tinha atrasado os pagamentos dos impostos noutras ocasições, por exemplo, em novembro de 2012 quando os palestinianos conquistaram uma votação nas Nações Unidas reconhecendo a Palestina como estado não-membro.

As receitas fiscais constituem dois terços do orçamento anual da Autoridade Palestiniana, excluindo a ajuda externa.