Última hora
This content is not available in your region

Filipinas de luto após massacre de 44 polícias numa operação antiterrorista

Access to the comments Comentários
De  Euronews com Reuters, AFP, EFE
euronews_icons_loading
Filipinas de luto após massacre de 44 polícias numa operação antiterrorista
Tamanho do texto Aa Aa

Sexta-feira, dia de luto nacional, nas Filipinas, pela morte de 44 polícias numa controversa operação antiterrorista, que terminou num banho de sangue.

A operação tinha por objectivo apanhar dois militantes islamitas: Zulkifli bin Hir, um dos suspeitos cabecilhas dos atentados de Bali, em 2002, e Abdul Basit Usman.

O Presidente Benigno Aquino participou numa cerimónia de homenagem às vítimas, numa base da polícia, a leste de Manila.

Perante os caixões, o chefe de Estado disse partilhar o sofrimento dos familiares dos agentes até porque perdeu o pai, assassinado quando regressou ao país, em 1983, nos tempos do regime de Ferdinand Marcos.

Neste momento, está em curso uma investigação à operação antiterrorista e o chefe das forças especiais da polícia filipina foi suspenso.

Os familiares das vítimas pedem “justiça” e apoio da parte do presidente.

A operação antiterrorista lançada no domingo passado, uma semana depois da passagem do Papa Francisco pelas Filipinas, tinha por objectivo apanhar dois militantes islamitas: Zulkifli bin Hir, um dos suspeitos cabecilhas dos atentados de Bali, em 2002, e Abdul Basit Usman.

Bin Hir, um malaio conhecido como “Comandante Marwan”, terá sido o homem que fabricou as bombas para os atentados de Bali e tem a cabeça a prémio por 5 milhões de dólares. As autoridades acreditam ter morto este militante. O filipino Usman conseguiu fugir.