Turquia: gás lacrimogéneo e detenções para impedir protesto em Ancara

Turquia: gás lacrimogéneo e detenções para impedir protesto em Ancara
De  Rodrigo Barbosa com AFP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Preparavam-se para protestar em frente ao novo palácio do presidente turco, mas praticamente não chegaram a sair dos autocarros que os conduziram a

PUBLICIDADE

Preparavam-se para protestar em frente ao novo palácio do presidente turco, mas praticamente não chegaram a sair dos autocarros que os conduziram a Ancara.

A polícia turca intercetou e deteve na capital cerca de 60 pessoas que pretendiam desfilar em memória do adolescente de 15 anos Berkin Elvan, morto pelas forças de segurança durante os protestos anti-regime do verão de 2013. O jovem tinha sido atingido com uma granada de gás lacrimogéneo na cabeça, passando 270 dias em coma, antes de morrer.

As autoridades não hesitaram em utilizar a força e gás lacrimogéneo para controlar os ocupantes dos dois autocarros, todos militantes de um pequeno partido da esquerda turca.

Desde a vaga inédita de protestos de 2013, a polícia intervém contra qualquer forma de contestação contra o homem forte da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, então primeiro-ministro e atualmente chefe de Estado.

O Parlamento turco prepara-se para analisar, na próxima semana, um projeto de lei polémico que reforça consideravelmente os poderes da polícia.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Mais de 40 ativistas LGBTQ detidos em Istambul

Manifestação do 1º de Maio em Istambul termina em confrontos

Agricultores espanhóis bloqueiam estradas e autoestradas com tratores, pneus e ramos de árvores