Última hora
This content is not available in your region

Defesa do comandante do Costa Concórdia pede absolvição

Defesa do comandante do Costa Concórdia pede absolvição
Tamanho do texto Aa Aa

A defesa do comandante do paquete naufragado Costa Concórdia em 2012 pediu a absolvição do seu cliente.

No tribunal instalado num teatro em Grosseto, na Toscana, os advogados argumentaram que “acidentes no mar acontecem” e que Francesco Schetino não pode ser considerado culpado pela tragédia que custou a vida a 32 pessoas.

A defesa pediu ao tribunal para ter em conta os erros cometidos por outros elementos da tripulação e o equipamento avariado do navio.

Mas os advogados da companhia Costa Concordia atribuem total responsabilidade a Schetino e sublinham o abandono do navio.

“A Costa não abandonou ninguém. É claro que é o problema exclusivo dele, ele está a tentar defender-se mas os juízes vão decidir. Ele não foi abandonado por ninguém, quem abandonou o navio foi ele – essa é a acusação”, refere o advogado da companhia, Marco De Luca.

Com um veredicto esperado ainda esta semana, depois 18 meses de julgamento, sobreviventes e famílias das vítimas começam a questionar se Francesco Schettino, o único réu, o comandante que abandonou o navio vai ser o único a ser responsabilizado e se a companhia escapa sem pagar um tostão pelo naufrágio de janeiro de 2012.