EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Omar al-Bashir: "CIA está por detrás dos radicais do Estado Islâmico"

Omar al-Bashir: "CIA está por detrás dos radicais do Estado Islâmico"
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Omar al-Bashir é alvo de um mandado de captura do Tribunal Penal Internacional, por crimes de guerra e contra a humanidade na região do Darfur.

PUBLICIDADE

Omar al-Bashir é alvo de um mandado de captura do Tribunal Penal Internacional, por crimes de guerra e contra a humanidade na região do Darfur.

A Euronews foi ao Sudão falar com o controverso presidente sobre diversos temas. Entre eles de terrorismo. Al-Bashir diz que a reintegração é a melhor arma contra o extremismo.

“Temos uma política bem-sucedida no que toca à forma como lidamos com este tipo de grupos. Após a detenção, colocamos estas pessoas em contacto com teólogos para que possam exprimir os pensamentos e as ideias. E felizmente conseguimos fazer com que muitos abandonassem o radicalismo” afirma Omar al-Bashir.

Uma mensagem dirigida aos Estados Unidos que colocam o Sudão na lista dos países que apoiam o terrorismo, mas não só.

Omar al-Bashir é mais direto quando questionado sobre as potências que estarão na origem os radicais do Estado Islâmico.

“Digo que a CIA e a Mossad estão por detrás destas organizações. Os muçulmanos não estão preparados para cometer este tipo de atos” conclui.

Os que combatem o grupo radical na Síria e no Iraque apontam o dedo a países como o Qatar, Turquia e a Arábia Saudita.

A entrevista a Omar al-Bashir pode ser vista na integra a partir de quarta-feira.

Sudão

  • Entre 1899 e 1956, o Sudão estava sob administração conjunta do Reino Unido e do Egito visto, na época, o Egito ser um protetorado da Grã-Bretanha.
  • O Egito entregou tacitamente a sua soberania sobre o Sudão na sequência da Revolução egípcia de 1952. O plano foi projetado por nacionalistas egípcios para obriGAR a Grã-Bretanha a abrir mão do controle do Sudão. Este torna-se então um Estado independente e o maior do continente africano até à perda da região sul do território que culminou com o nascimento do do Sudão do Sul – em 01 de janeiro de 1956.
  • Darfur. Quando Grã-Bretanha e Egito reconheceram a soberania do Sudão, em 1899, a região de Darfur deu um passo rumo ao sultanato independente. No entanto, em 1916, a Grã-Bretanha incorporou o Darfur no Sudão para evitar que caiam nas mãos do Império Otomano, na Primeira Guerra Mundial I.
  • O Sudão do Sul tornou efetivamente independente do Sudão em 9 de julho de 2011, seis meses após um referendo em que 98,83% do eleitorado no sul votou a favor da secessão.

EM NÚMEROS

• Tamanho: 1.860.000 km2
• População: 37.290.000 (julho 2014 estimativa)
• PIB per capita: $ 1793
• A idade média: 19,1 anos
• Taxa de alfabetização: 71,9%
• Religiões: muçulmanos sunitas, minoria cristã
• Línguas oficiais: árabe e Inglês (Fontes: CIA Factbook, República do Sudão do Sul)

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

[Exclusivo] "Só temo Deus", Omar al-Bashir, presidente do Sudão

Sudão do Norte: ONU não tem provas sobre violações em massa

Alemanha promete milhões em ajuda ao Sudão no aniversário da guerra