Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

[Exclusivo] "Só temo Deus", Omar al-Bashir, presidente do Sudão

[Exclusivo] "Só temo Deus", Omar al-Bashir, presidente do Sudão
Tamanho do texto Aa Aa

Numa entrevista exclusiva à Euronews, o presidente sudanês, Omar al-Bashir, acusa os serviços secretos israelitas e norte-americanos de apoiarem grupos extremistas islâmicos, como o autodenominado Estado Islâmico.

O chefe de Estado sudanês defende-se da acusação de genocídio e crimes de guerra, levadas ao Tribunal Penal Internacional, pelas atrocidades cometidas em Darfur e que terá ordenado.

Omar al-Bashir dá o seu ponto de vista sobre a secessão do Sudão do Sul, em 2011, e fala das eleições previstas para abril deste ano.

Quem é Omar al-Bashir?

  • Nasceu em 1944 quando o Sudão estava sob o domínio Anglo-Egípcio.
  • Fez carreira militar e serviu no exército egípcio durante a guerra Israelo-Árabe, em 1973. Também esteve envolvido na luta contra o Exército Popular de Libertação do Sudão, do Sudão do Sul, no início da guerra civil.
  • Assumiu o controlo do Sudão, na altura o maior país de África, num golpe militar em 1989, assumindo a presidência do país.
  • Foi o primeiro Chefe de Estado, em exercício, a ser indiciado pelo Tribunal Penal Internacional sob acusação de assassinatos em massa e violações, em Darfur.

Sobre o grupo Estado Islâmico:

  • Diz que a CIA e a Mossad são as únicas organizações a ganharem com o crescimento do grupo Estado Islâmico
  • Afirma que as ações de Israel contra os Palestinianos levam os jovens a juntarem-se às fileiras do autodenominado Estado Islâmico
  • Afirma que o Sudão enfrentou, com sucesso, o extremismo islâmico no seu território graças à reeducação de jovens aspirantes a jihadistas

Sobre as acusações de genocídio e crimes de guerra:

  • Nega limpeza étnica em Darfur
  • Diz que as acusações do TIP têm motivações políticas para obrigar a uma mudança de regime
  • Alega que as acusações fazem parte de uma campanha contra o Sudão

Sobre a secessão no Sudão do Sul:

  • Afirma não lamentar a separação do Sudão do Sul apesar das implicações económicas para o Sudão

Veja a entrevista na íntegra, abaixo

Sudão

  • Entre 1899 e 1956, o Sudão estava sob administração conjunta do Reino Unido e do Egito visto, na época, o Egito ser um protetorado da Grã-Bretanha.
  • O Egito entregou tacitamente a sua soberania sobre o Sudão na sequência da Revolução egípcia de 1952. O plano foi projetado por nacionalistas egípcios para obriGAR a Grã-Bretanha a abrir mão do controle do Sudão. Este torna-se então um Estado independente e o maior do continente africano até à perda da região sul do território que culminou com o nascimento do do Sudão do Sul – em 01 de janeiro de 1956.
  • Darfur. Quando Grã-Bretanha e Egito reconheceram a soberania do Sudão, em 1899, a região de Darfur deu um passo rumo ao sultanato independente.

    No entanto, em 1916, a Grã-Bretanha incorporou o Darfur no Sudão para evitar que caiam nas mãos do Império Otomano, na Primeira Guerra Mundial I.

  • O Sudão do Sul tornou efetivamente independente do Sudão em 9 de julho de 2011, seis meses após um referendo em que 98,83% do eleitorado no sul votou a favor da secessão.
  • EM NÚMEROS

    • Tamanho: 1.860.000 km2
    • População: 37.290.000 (julho 2014 estimativa)
    PIB per capita: $ 1793
    • A idade média: 19,1 anos
    • Taxa de alfabetização: 71,9%
    • Religiões: muçulmanos sunitas, minoria cristã
    • Línguas oficiais: árabe e Inglês (Fontes: CIA Factbook, República do Sudão do Sul)