Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Livni e Herzog: Um duo improvável que pode conquistar Israel

Livni e Herzog: Um duo improvável que pode conquistar Israel
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

É uma aliança estranha que espera por fim à era Netanyahu. Isaac Herzog vem do Partido Trabalhista; Tzipi Livni começou pelo Likud, transitou para o Kadima, fundado por Ariel Sharon, e criou depois o próprio partido. Juntos, apresentam-se como “União Sionista”, uma lista de centro-esquerda que defende um Estado judeu e democrático.

Temos de nos unir, trabalhar juntos para ter sucesso e vencer. Porque ou ganhamos nós, ou ganha ele (Netanyahu).

A coligação está taco-a-taco nas sondagens com o Likud de Benjamin Netanyahu. No entanto, Herzog tem pouca experiência na política, comparado com o primeiro-ministro cessante. O carisma também é pouco, mas a coligação está a convencer aqueles que querem tudo menos Netanyahu: “Precisamos de juntar as forças, temos de nos unir, trabalhar juntos para ter sucesso e vencer. Porque ou ganhamos nós, ou ganha ele (Netanyahu)”, disse Herzog num discurso.

Jurista de 54 ans, entra para a política aos 28, mas só 15 anos depois se torna deputado. Foi ministro da construção no governo de Sharon, depois ministro do turismo nas administrações Olmert e Netanyahu. Deixa o governo quando os trabalhistas abandonam a coligação no poder.

Em 2013, é eleito presidente do Partido Trabalhista. O partido está então com uma reputação péssima no país. Por isso, em vez de se apresentar sozinho, Herzog prefere fazer esta aliança com o Kadima e o Hatnuah.

A “dama de ferro israelita”

Hatnuah é o novo partido que Livni fundou em novembro de 2012.

Tzipi Livni é uma espécie de dama de ferro israelita. Também formada em direito, torna-se agente da Mossad e faz carreira nos serviços secretos israelitas até casar. Eleita deputada em 1999, torna-se rapidamente numa protegida de Ariel Sharon.

O veterano dá-lhe vários ministérios. O da Agricultura, o da Justiça e por fim o dos Negócios Estrangeiros.

Em 2006, entra para o governo de Ehud Olmert, com as cores do Kadima, o partido fundado por Sharon. Volta a assumir a pasta dos negócios estrangeiros e torna-se depois vice-primeira-ministra.

Durante o governo de Olmert, as ofensivas de Israel no Líbano, em 2006, e em Gaza, no final de 2008 e início de 2009, fizeram correr muita tinta e causaram a condenação de Israel por uma grande parte da opinião pública internacional. Ao mesmo tempo, as ofensivas foram provas de força do exército israelita.

O reinado do Kadima e a presença de Livni no governo terminam com as eleições de 2009, que ditam o regresso do Likud e de Benjamin Netanyahu ao poder.

Livni passa a ser oposição ao próprio partido de que era membro. Tem agora na mão uma oportunidade de voltar à ribalta.