EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Andaluzia: 1.º teste ao 'anunciado' fim do bipartidarismo em Espanha

Andaluzia: 1.º teste ao 'anunciado' fim do bipartidarismo em Espanha
Direitos de autor 
De  Euronews com EFE, Reuters
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

É o primeiro embate local entre as novas forças políticas - que emergiram da contestação popular - e os partidos tradicionais, minados por escândalos de corrupção e desgastados por décadas de alternân

PUBLICIDADE

As eleições antecipadas deste domingo na Andaluzia são olhadas com atenção em Espanha e por toda a Europa. Após anos de crise económica e política, este é o primeiro embate local entre as novas forças políticas, que emergiram da contestação popular e os partidos tradicionais, minados por escândalos de corrupção e desgastados por décadas de alternância no poder e pela maior crise do pós-guerra.

Com cerca de 8 milhões de habitantes, a Andaluzia é a região mais povoada de Espanha, mas também uma das mais pobres, com uma economia assente na agricultura.

Implantada no extremo meridional da Península Ibérica, a Andaluzia é governada há mais de três décadas pelos socialistas, que são dados como vencedores. Mas as sondagens também anunciam o fim do bipartidarismo e que PSOE e PP vão ter de iniciar um diálogo e eventualmente formar alianças com o Podemos e/ou o Ciudadanos.

Para já, socialistas e conservadores preferem apenas alertar para o “perigo” destas novas forças políticas, que estarão a fazer promessas que não podem cumprir, não hesitando em fazer comparações com o Syriza, na Grécia.

O mapa político espanhol vai continuar a ser redesenhado em Maio, nas eleições locais. Lá mais para o final do ano será tempo de eleger um novo Governo em Madrid.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Novo naufrágio perto de Tenerife faz pelo menos 5 mortos. 68 migrantes foram resgatados com vida

Felipe VI de Espanha celebra dez anos de reinado

Espanha: Sánchez quer que a comunidade internacional "exerça mais pressão" sobre Israel