Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Como gere a UE a migração e quais as condições de acolhimento que oferece?

Como gere a UE a migração e quais as condições de acolhimento que oferece?
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Esta semana, o U-Talk apresenta um formato especial com duas perguntas de telespetadores em vez de apenas uma. Muitos foram os que reagiram à edição da semana passada do nosso programa Repórter, onde expusemos o drama dos migrantes bloqueados em Calais, no norte da França.

Nunca houve tantas pessoas a fugir de guerras e em busca de refúgio numa União Europeia (UE) acusada de laxismo e abandono face a estes mesmos refugiados. Selecionámos duas questões.

Samir perguntou-nos: “O que faz a União Europeia para gerir estes fluxos migratórios?”

Claude, por outro lado, quer saber: “Terá a Europa condições para acolher estes refugiados?”

A jornalista Valérie Gauriat responde, a propósito da reportagem que efetuou em Calais:
( Clique nesta ligação para rever a referida reportagem )

“O problema da União Europeia é estar ainda à procura de uma política de imigração comum. Existe todo um arsenal de medidas, muitas delas, porém, não vinculativas. Cabe à agência Frontex gerir a cooperação entre as fronteiras externas europeias através de um dispositivo de segurança que é muito contestado.

“Não só o número de migrantes aumenta com os conflitos, também os riscos se agravam. O sistema de asilo europeu choca com a Convenção de Dublin, a qual exige que o migrante peça asilo no país onde entrou na Europa. Se for para outro, ele pode ser deportado para esse país de chegada.

“Enquanto cada Estado-membro passa a bola ao outro, milhares de pessoas são mantidas meses ou até anos na clandestinidade e na precariedade. Conseguir os vistos revela-se uma corrida de obstáculos. Por vezes demasiado longa. Mas quando se foge de uma guerra ou de uma ditadura, há urgência.

“Em relação à capacidade de acolhimento, a Europa está a envelhecer e alguns países carecem de mão-de-obra. Há um problema de distribuição dos refugiados entre os países e nem todos eles aceitam ficar.

“É de notar também que são os países em desenvolvimento que recebem 80 por cento dos refugiados mundiais. Podemos questionar, por fim, a responsabilidade da UE face às vítimas de conflitos e de regimes muitas vezes apoiados pelos próprios Estados-membros europeus.”

Informação útil

Se também desejar esclarecer algum tipo de assunto europeu, não hesite e utilize o botão em baixo para deixar a sua pergunta.