"Cuba não é ameaça para os EUA", diz Obama depois de encontro com Castro

"Cuba não é ameaça para os EUA", diz Obama depois de encontro com Castro
De  Rodrigo Barbosa
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Os Estados Unidos já não vêem Cuba como uma ameaça e a maioria dos norte-americanos são favoráveis à normalização de relações entre os dois países.

PUBLICIDADE

Os Estados Unidos já não vêem Cuba como uma ameaça e a maioria dos norte-americanos são favoráveis à normalização de relações entre os dois países.

A mensagem foi deixada por Barack Obama, depois da reunião histórica com Raul Castro à margem da Cimeira das Américas, no Panamá, que constituiu o primeiro encontro oficial entre presidentes dos Estados Unidos e de Cuba em mais de meio século.

Obama: “A minha mensagem aqui é de que a Guerra Fria terminou. Devemos ser bastante claros: Cuba não é uma ameaça para os Estados Unidos. Não estamos no negócio da mudança de regimes, mas sim no de garantir que o povo cubano tem liberdade e a capacidade para participar e moldar o seu próprio destino, as suas próprias vidas, e apoiar a sociedade civil.”

Um alto responsável norte-americano presente no Panamá disse que Obama tomará nos próximos dias a decisão sobre a retirada de Cuba da lista negra de países que apoiam o terrorismo.

Castro: “Vejo como um passo positivo as suas declarações recentes, de que vai rapidamente decidir sobre a remoção de Cuba da lista de países que patrocinam o terrorismo de Estado. Uma lista onde nunca deveria ter sido incluída.”

O encontro histórico entre Obama e Castro, altamente mediatizado e que confirma a nova via das relações entre Washington e Havana, relançadas em dezembro, eclipsou praticamente o resto da agenda da Cimeira.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

EUA/Cuba: Otimismo em Havana

Embargo a Cuba: Da Guerra Fria aos dias de hoje

Morte de Alexei Navalny provoca reação internacional