EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Relatório da Amnistia Internacional denuncial espiral de violência no Iraque

Relatório da Amnistia Internacional denuncial espiral de violência no Iraque
Direitos de autor 
De  Maria-Joao Carvalho
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

No dia 19 de junho de 2014, Mossul caiu sob controlo do autodeterminado Estado Islâmico. A conquista da segunda cidade do Iraque, marcou o início de

PUBLICIDADE

No dia 19 de junho de 2014, Mossul caiu sob controlo do autodeterminado Estado Islâmico. A conquista da segunda cidade do Iraque, marcou o início de um ano de terror, como denuncia a “Amnistia Internacional”: http://bit.ly/1Ta7vjj no relatório publicado esta quarta-feira.

A espiral de violência em que o país mergulhou, com o exército dos jihadistas, de um lado, e das forças do governo, apoiadas pelas milícias xiitas do outro, deixa pouca margem para o restabelecimento da normalidade.

Da vida em Mossul poucas imagens chegam. As que se vêem são alegadamente dos residentes que estarão a festejar a conquista de Ramadi pelo EI (obrigados, certamente). A propaganda é uma arma de guerra, e não há confirmações sobre o que chega das zonas ocupadas…
Sabe-se apenas que as mesquitas são destruidas, as mulheres obrigadas a velarem-se completamente, a aniquilarem-se para sobreviver.

Estado Islâmico proíbe homens de fazer a barba na 2ª maior cidade do Iraque http://t.co/eOioW3fGgfpic.twitter.com/doboC9Eut3

— Folha de S.Paulo (@folha) June 2, 2015

Num ano, o EI tornou-se muito forte e bem organizado, muito mais do que a Al Qaida foi algum dia. Deixou de ser uma nebulosa

Em comparação, as forças governamentais iraquianas não conseguiram impedir a expansão jihadista e a conquista de uma importante parte do território. Mostram-se incapazes de responder a tamanha violência.

Mais 400 militares americanos e nova base no Iraque para combater Estado Islâmico http://t.co/9EUl0Ztjoa

— Público (@Publico) June 10, 2015

A Amnistia Internacional denuncia, por outro lado, crimes das milícias xiitas, com as quais o governo se aliou por conveniência.

Um dos exemplos citados foi o massacre em Barwana, no dia 26 de janeiro, numa aldeia em que vivem, principalmente, famílias sunitas.
Cerca de 70 pessoas terão sido executadas a sangue frio.

Esta espiral infernal de violência e de vingança, que mergulha o Iraque

A culpa, em parte, recai toda sobre Nouri Maliki, orbrigado a renunciar ao cargo de primeiro-minsitro por causa da incapacidade de apaziguar as tensões entre xiitas e sunitas durante quase uma década.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Iraque: Incêndio num casamento faz mais de uma centena de mortos entre eles os noivos

Vaticano Beatifica família que escondeu judeus durante II Guerra Mundial

Singapura executa primeira mulher em diuas décadas