EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Grécia: Parlamento vota segundo pacote de reformas

Grécia: Parlamento vota segundo pacote de reformas
Direitos de autor 
De  Fernando Peneda com Lusa
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O Parlamento grego discute e vota esta quarta-feira o segundo pacote de reformas apresentado pelo governo de Alexis Tsipras. As propostas introduzem

PUBLICIDADE

O Parlamento grego discute e vota esta quarta-feira o segundo pacote de reformas apresentado pelo governo de Alexis Tsipras.

As propostas introduzem alterações no código civil e incorporam na legislação grega a diretiva europeia BRRD, que referente ao saneamento dos bancos e à garantia dos depósitos bancários até aos 100 mil euros.

De fora ficam, para já, a eliminação de exonerações fiscais dos agricultores e as restrições das reformas antecipadas.

“Somos obrigados a implementar um acordo difícil. Um acordo que fomos forçados a aceitar e que vai ter efeitos negativos na maioria da sociedade”, afirmou Panos Skourletis, ministro do Ambiente e da Energia.

A aprovação destas medidas é uma condição para que o governo e os seus credores possam iniciar as negociações para um terceiro plano de resgate para a Grécia.

“Fora do Parlamento haverá resistência às reformas estruturais e o próprio Estado pode arrastar os pés.
Não há vontade das pessoas, nem do Governo, e esse é que é o problema – estar a forçar alguém a fazer algo que não quer. Pode facilmente haver uma regressão e erros”, sublinhou o analista Jan Randolph.

O governo de Alexis Tsipras enfrenta uma nova prova de unidade, depois de 39 deputados do Syriza não terem apoiado o acordo com os parceiros europeus na votação de quarta-feira passada, o que levou a uma remodelação do Executivo grego.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Grécia: do inferno à prosperidade

Previsões económicas da OCDE ligeiramente mais otimistas

Senado aprova aumento do teto da dívida dos EUA