Última hora
This content is not available in your region

"Impossible": oito mágicos desafiam o impossível num palco londrino

"Impossible": oito mágicos desafiam o impossível num palco londrino
De  Nelson Pereira
Tamanho do texto Aa Aa

Um dos maiores shows de magia pode ser visto no West End londrino. Os melhores números de ilusionismo, leitura de pensamentos e fugas que desafiam a morte estão, este verão, no Noël Coward Theatre de Londres.

Num dos números mais impressionantes, o mágico Ali Cook apresenta um dos momentos mais dramáticos do espectáculo, libertando-se de algemas depois de fechado num tanque de água. O menor erro custaria a morte do artista.

“O segredo é somente muito treino. É como o salto de pára-quedas, é exatamente a mesma coisa. Neste número, eu entro num tanque cheio de água. A equipa treina ao máximo. Sabem que um erro pode ser fatal. Mas um erro pode sempre acontecer um dia”, confessa Ali Cook.

Para a ilusionista Katherine Mills, um espectáculo de magia é uma viagem ao mundo fascinante da infância:

“A magia é realmente cativante, porque nos transporta ao mundo maravilhoso da infância. E há muitos adultos que não experimentavam isto há muito tempo.”

O ilusionista americano de origem húngara Harry Houdini, falecido em 1926, continua a ser para muitos a referência mais importante nas artes mágicas.

Num dos seus números mais famosos, evadia-se de um baú cheio de água e fechado por cadeados e correntes. E é nesta ousadia em arriscar a vida que se joga toda a atração de um espectáculo de magia, sublinha o mágico Jonathan Goodwin:

“Eu arrisco a minha vida no palco. Harry Houdini dizia: ‘as pessoas vêm para te ver morrer’. Nas fotos vêmo-lo pendurado a centenas de metros do chão numa camisa de forças, enquanto milhares de pessoas esperam para ver o que lhe vai acontecer – o que faço não é diferente, é este o meu trabalho, dar às pessoas esta verdade crua, colocá-los à beira do abismo.”

Neste incrível show de magia, oito profissionais das artes magicas enchem de emoção o Noël Coward Theatre de Londres. Um deles, é o português Luís de Matos.

Em exibição até 29 de agosto.