Jornalista abatido no México

Jornalista abatido no México
De  Nelson Pereira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Centenas de jornalistas protestaram no domingo na Cidade do México contra o assassinato do repórter fotográfico Ruben Espinosa. O corpo de Espinosa

PUBLICIDADE

Centenas de jornalistas protestaram no domingo na Cidade do México contra o assassinato do repórter fotográfico Ruben Espinosa.

O corpo de Espinosa foi encontrado num apartamento da capital. O jornalista escondia-se desde Junho por causa de ameaças de morte que recebia no estado de Veracruz, onde trabalhava.

“Mais de uma centena de jornalistas foram mortos. O México é o segundo ou terceiro país mais perigoso do mundo para os jornalistas”, lembrou o jornalista Jose Reveles, acrescentando que “é no estado de Veracruz que a maior parte destes casos acontece.“

O estado de Veracruz está sob controlo de um cartel paramilitar ligado ao tráfico de drogas. Em Veracruz foram assassinados, desde 2011, 15 jornalistas.

“Se dizes a verdade, matam-te. Os jornalistas que não se venderam, matam-nos ou fazem-nos desaparecer. Que podemos fazer? Não sei, eu não sei”, confessou a jornalista Cristina Guerrero.

Segundo a organização mexicana de defesa da liberdade de expressão Artículo 19, Espinosa dizia, a propósito da perseguição de que era alvo, que não confiava no governo nem em nenhuma instituição do Estado mexicano.

#ALERTA Asesinan al fotoperiodista Rubén Espinosa en DF; había salido de Veracruz por amenazas http://t.co/52cOWchZMopic.twitter.com/NOZcxJluzw

— ARTICLE 19 MX-CA (@article19mex) 2 Août 2015

Segundo a organização não-governamental internacional Repórteres sem Fronteiras, em 2015 já foram mortos no México cinco jornalistas, quatro deles em Veracruz.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ativistas dos direitos dos animais protestam contra touradas no México

Dezenas de manifestantes anti-NATO entram em confronto com a polícia em Nápoles

Protestos convocados à medida que a Geórgia revive polémica lei sobre 'agentes estrangeiros'