Última hora
This content is not available in your region

Vettel vence em Singapura, Hamilton abandona mas continua tranquilo

Vettel vence em Singapura, Hamilton abandona mas continua tranquilo
Tamanho do texto Aa Aa

O Grande Prémio de Singapura em Fórmula 1 até pode ter sido ganho por um nome diferente do habitual mas isso não quer dizer que a corrida tenha sido emocionante. Antes pelo contrário.

Os três primeiros na grelha de partida foram também os três primeiros a cortar a linha da meta sem nunca terem trocado a ordem ao longo da corrida. Sebastian Vettel dominou do início ao fim e o momento mais emocionante até aconteceu quando um adepto se lembrou de dar um passeio ao longo da pista.

O alemão somou o 42º triunfo no grande circo e é agora o terceiro piloto com mais vitórias, ultrapassando Ayrton Senna. À sua frente, só Michael Schumacher e Alain Prost.

O líder do mundial de pilotos, Lewis Hamilton, teve sempre dificuldades em andar entre os mais rápidos e acabou por abandonar com problemas na caixa de velocidades.

Ainda assim Nico Rosberg não soube aproveitar e não foi além da quarta posição, atrás ainda de Ricciardo e Räikkönen. Está agora a 41 pontos do inglês.

Quanto a Vettel, ocupa a terceira posição no mundial a 49 pontos de Hamilton.

Crashgate

A 28 de setembro de 2008, o circuito de Marina Bay, em Singapura, foi palco da primeira corrida noturna de sempre na Fórmula 1. No entanto, a corrida acabou por ficar para a história por um motivo completamente diferente.

Afinal de contas, é relativamente normal as equipas darem ordens aos seus pilotos mas nunca ninguém foi tão longe como a Renault, que pediu a Nelson Piquet que provocasse um acidente.

O brasileiro cumpriu, na 14ª volta, o safety car entrou em pista e todos os pilotos aproveitaram para trocar de pneus… todos menos o seu companheiro de equipa, Fernando Alonso, que tinha largado de um modesto 15º lugar e já tinha parado nas boxes.

O espanhol não mais largou o comando. Inicialmente Piquet atribuiu o despiste a um erro, com a sua dispensa da Renault a verdade veio ao de cima. Tratou-se de uma ordem de equipa.

Os franceses começaram por negar as acusações mas acabaram por se render às evidências e despediram os dois responsáveis, Flavio Briatore e Pat Symonds. Depois da saída da Renault, Nelsinho Piquet não mais voltou a conduzir um Fórmula 1.

Red Bull perde asas

A Red Bull Racing faz parte do Grande circo desde 2005. Dois anos depois, formou uma parceria de sucesso com a Renault, que se traduziu em quatro títulos mundiais consecutivos de pilotos e construtores. Esses dias estão a chegar ao fim.

A parceria entre a equipa austríaca e o construtor francês termina no final da temporada, o que na prática deixa a Red Bull sem motor para 2016.

Dietrich Mateschitz, o proprietário da equipa, já afirmou por várias vezes que se não conseguir um motor competitivo, deixa a Fórmula 1, o que reduz e muito as opções.

A Mercedes já disse que não estava interessada, sobra a Ferrari que também não parece muito disposta a ajudar um rival. Até é possível que as negociações cheguem a bom porto, mas nunca em pé de igualdade com a escuderia italiana.

Já a Volkswagen, até mostrou interesse em comprar a Red Bull mas nunca será uma solução de curto prazo uma vez que não pretende entrar na Fórmula 1 antes de 2018.