EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Rússia intensifica ataques na Síria e critica Estados Unidos

Rússia intensifica ataques na Síria e critica Estados Unidos
Direitos de autor 
De  Lurdes Duro Pereira com Reuters, AFP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Os navios russos no Mar Cáspio dispararam mais de duas dezenas de mísseis cruzeiro contra alvos do autodenominado Estado Islâmico na Síria.

PUBLICIDADE

Os navios russos no Mar Cáspio dispararam mais de duas dezenas de mísseis cruzeiro contra alvos do autodenominado Estado Islâmico na Síria.

A garantia é dada por Moscovo que rejeita as acusações de Washington sobre a estratégia russa no país devastado por uma guerra que se arrasta há mais de quatro anos.

As declarações veem a público numa altura em que está em marcha uma operação militar coordenada contra posições rebeldes no norte e oeste da Síria. Por terra, o exército sírio conta com o apoio do Hezbollah. Por ar, com o da aviação russa.

Moscovo insiste que na mira dos ataques estão grupos extremistas, entre eles os radicais do Estado Islâmico.

Os Estados Unidos fecharam, entretanto, a porta a uma eventual cooperação militar com a Rússia na Síria. Uma posição justificada pelo secretário da Defesa norte-americano.

“Acreditamos que a Rússia adotou uma estratégia errada e que continua a atacar alvos que não os do Estado Islâmico. Para nós este é um erro fundamental. Apesar do que diz a Rússia, não vamos cooperar militarmente com o país enquanto mantiver esta estratégia” afirma Ashton Carter.

O ministro da Defesa russo diz em tempos de guerra não há certezas absolutas. Admite que os ataques possam atingir outros grupos a operar em território sírio, tal como acontece com os bombardeamentos da aviação norte-americana.

Moscovo entrou, oficialmente, na guerra síria há uma semana em resposta ao pedido do chefe de Estado Bashar Al-Assad.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Analista: "conflito na Síria é uma guerra por procuração"

Os limites da NATO na Síria

NATO acredita que "invasão" russa na Turquia não foi acidente