A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Húngara Éva Muck conquista título de "Queen of Strings Bass"

Húngara Éva Muck conquista título de "Queen of Strings Bass"
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Com apenas 22 anos, é considerada “Queen of Strings Bass”. A húngara Éva Muck venceu o concurso internacional, fundado nos Estados Unidos.
Vem de uma família de músicos: o pai toca saxofone, a mãe é cantora e Éva começou por tocar piano em criança. Mas foi o baixo que a apaixonou quando era adolescente.

A húngara explica que “a fase da rebeldia começou e quis tocar um instrumento pouco habitual. Por isso decidiu tocar guitarra baixo”.

A competição “Queen of Strings” surgiu nos Estados Unidos, pelas mãos de Nik West, com o objetivo de mostrar que as mulheres também têm uma palavra a dizer nesta área. Existem duas categorias: “Queen of Strings Bass” e “Queen of Strings Guitar”. Em janeiro, Éva Muck enviou este vídeo para os organizadores do concurso.
O prémio foi atribuído depois da votação do público na internet, combinada com a opinião do juri.

Éva garante que “ficou muito satisfeita com a reação das pessoas à música que faz, mesmo a nível internacional…e isso dá-lhe motivação para continuar”.

Entretanto entrou para uma banda, os JMJ, um trio onde uma outra jovem é a baterista. Tocam sobretudo música funky, com influências do jazz. A baixista acredita que é muito importante que, “mesmo tocando um instrumento considerado mais masculino, se acrescente algo de feminino. Antes de tudo, é uma mulher e não quer que isso esteja em segundo plano porque toca baixo”.

Apesar deste prémio ter impulsionado a carreira musical, a jovem não quer desistir dos estudos. Éva acredita que a música vai fazer sempre parte da sua vida, mas também se imagina a fazer outro tipo de trabalho. É importante ter um plano B uma vez que a vida de artista nem sempre é fácil”.

De qualquer forma, a “rainha da guitarra baixo” garante que ainda é muito nova e tem tempo para decidir o que vai fazer no futuro.