México: Supremo Tribunal autoriza ativistas a cultivar marijuana para consumo próprio

México: Supremo Tribunal autoriza ativistas a cultivar marijuana para consumo próprio
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O Supremo Tribunal do México autorizou um grupo de ativistas a cultivar marijuana para consumo próprio, abrindo a porta ao uso recreativo da droga no

PUBLICIDADE

O Supremo Tribunal do México autorizou um grupo de ativistas a cultivar marijuana para consumo próprio, abrindo a porta ao uso recreativo da droga no país.

Os magistrados aprovaram a proposta de quatro membros da Sociedade Mexicana para o Uso Pessoal Responsável e Tolerante, por quatro votos contra um.

A decisão autoriza os quatro ativistas a produzir e consumir a própria marijuana, no entanto estão impedidos de comercializá-la.

A decisão do Supremo Tribunal veio dar um novo alento aos defensores da legalização das drogas leves no país.

O Presidente mexicano, Enrique Peña Nieto, que se tem mostrado cético em relação a esta medida, afirma que a decisão dos juízes “abre a porta para que haja um debate amplo” na sociedade que leve, eventualmente, à criação de legislação sobre o consumo da marijuana. Sublinha, ainda, que “pode levar à criação de políticas para que a população perceba quais são os efeitos nocivos ou não do consumo da marijuana.”

El GobMX</a> respeta y reconoce las decisiones de la <a href="https://twitter.com/SCJN">SCJN, incluyendo la relacionada con el uso recreativo de la marihuana.

— Enrique Peña Nieto (@EPN) 4. November 2015

Caso haja mais quatro decisões consecutivas do mesmo género, fica criada jurisprudência, estabelecendo um precedente legal no México e forçando o governo a rever a lei. O país registou, na última década, mais de 100 mil mortes devido à criminalidade associada à droga.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Familiares exigem justiça para os desaparecidos no México

Arranca novo julgamento dos quatro egípcios acusados de matar estudante italiano Giulio Regeni

Londres avalia pedido de recurso contra extradição de Assange