A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Embaixador francês no Egito confia no bom senso gaulês perante os muçulmanos

Embaixador francês no Egito confia no bom senso gaulês perante os muçulmanos
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A euronews teve acesso exclusivo à embaixada da França, no Cairo, numa altura em que o mundo está sobressaltado pela vaga de atentados terroristas por grupos “jihadistas” cometidos em Beirute e em Paris, depois de um avião comercial russo ter sido alegadamente atingido há algumas semanas num outro atentado reivindicado pelo “Daesh”, o grupo terrorista que se autoproclamou Estado Islâmico.

O enviado especial da euronews ao Egito perguntou a André Parant, o embaixador francês no Egito, se a numerosa comunidade islâmica em França pode temer repercussões da sociedade pelos ataques “jihadistas”.

“As autoridades e o povo francês sempre reagiram com muito bom senso e moderação para evitar todas as formas de abusos e confusões. Penso que desta vez vai ser igual”, considerou Parant, prosseguindo: “os franceses vão uma vez reforçar a convicção de que é preciso combater sem misericórdia e sem descanso o terrorismo. Não acredito que os franceses se permitam a confundir os muçulmanos ou o Islão com esta versão perversa do islamismo que representa os terroristas e, em particular, o ‘Daesh’.”

(“A grande pirâmide com as cores da França, do Líbano e da Rússia em homenagem às vitimas.”)

As pirâmides de Gizé, no Cairo, como a Torre de Belém, em Lisboa, ou o Cristo Redentor no Rio de janeiro, também se “vestiram” com as cores da França e juntaram-se ao protesto global contra o terrorismo, incluindo ainda as bandeiras do Líbano e da Rússia. Dezenas de pessoas concentraram-se diante dos famosos monumentos egípcios e, algumas com velas nas mãos, cantaram em memória das vítimas dos atentados de Paris, Beirute e da Península do Sinai.

Mohamed Shaikibrahim testemunhou a “mensagem de paz” enviada pelos egípcios à França. Uma mensagem, contou o nosso enviado especial, em que se defendia que a “união entre os fiéis de diferentes religiões deve ser o primeiro passo no confronto com estes grupos terroristas que não fazem distinções entre ninguém quando cometem os sangrentos atentados.”