EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

França e Estados Unidos vão "intensificar" ataques ao grupo Estado Islâmico

França e Estados Unidos vão "intensificar" ataques ao grupo Estado Islâmico
Direitos de autor 
De  Euronews com reuters, lusa
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

11 dias depois dos atentados de Paris, François Hollande deixou pela primeira vez o território francês para um encontro na Casa Branca com Barack Obama.

PUBLICIDADE

França e Estados Unidos decidiram, “intensificar” e “ampliar o alcance” dos bombardeamentos, na Síria e no Iraque, contra posições do grupo radical Estado Islâmico.

11 dias depois dos atentados de Paris, François Hollande deixou pela primeira vez o território francês para um encontro na Casa Branca com Barack Obama.

“Somos todos franceses”, afirmou o presidente norte-americano na conferência de imprensa após a reunião.

“O presidente Hollande e eu concordamos que os bombardeamentos da Rússia contra a oposição moderada só servem para reforçar o regime de Assad, cuja brutalidade ajudou a alimentar a ascensão do ISIL (Estado Islâmico). Estamos de acordo que a Rússia poderia desempenhar um papel mais construtivo se mudasse o foco dos seus ataques de forma a derrotar o ISIL “, referiu Obama.

Já para o presidente francês, “a prioridade é recuperar pontos-chave, que estão nas mãos do Daesh (Estado Islâmico) na Síria. Também é urgente fechar a fronteira entre a Turquia e a Síria para que nenhum terrorista venha, nomeadamente, à Europa perpetrar ataques bárbaros”.

Para além da intensificação dos bombardeamentos, Washington e Paris prometem “apoiar todos aqueles que combatem no terreno o Daesh (Estado Islâmico)”.

Os dois chefes de Estado reiteraram ainda que Bashar al-Assad deve deixar o poder, na Síria, o mais rápido possível.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Berlusconi e a Europa: um ano após o desaparecimento de um líder que mudou a UE

Morte de Alexei Navalny provoca reação internacional

#TheCube: Macron abdicou da sua reforma enquanto presidente?