EventsEventosPodcast
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Turquia: recolher obrigatório depois da morte do advogado Tahir Elçi

Turquia: recolher obrigatório depois da morte do advogado Tahir Elçi
Direitos de autor 
De  Nelson Pereira com Reuters
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Na sequência da morte do advogado Tahir Elçi, as autoridades turcas decretaram o recolher obrigatório no bairro de Sur, Diarbakir, no sul do país

PUBLICIDADE

Na sequência da morte do advogado Tahir Elçi, as autoridades turcas decretaram o recolher obrigatório no bairro de Sur, Diarbakir, no sul do país, onde foi abatido no sábado.

Segundo o primeiro-ministro Ahmet Davutoglu, o advogado de 49 anos “pode ter sido alvo de um assassinato” e “nesse caso os responsáveis serão identificados”, mas é possível também “que tenha sido apanhado entre dois fogos, quando terroristas atacaram as forças policiais”.

Em Ankara, Izmir e Istambul, a polícia usou canhões de água e gás lacrimogéneo para reprimir manifestações em homenagem a Tahir Elçi e de protesto contra o governo.

“O período que atravessamos é pior do que a década de ’90, se olharmos para aquilo que estava a acontecer a Tahir Elçi. O tratamento que recebeu depois de ter pronunciado publicamente as suas opiniões mostrou quem são os verdadeiros assassinos”, disse em Istambul Pinar Akdemir, membro de uma associação de advogados que era presidida por Tahir Elçi.

Desde outubro, decorria um processo contra Tahir Elçi num tribunal de Istambul, acusado de fazer a “apologia do terrorismo”, depois de ter dito que “o Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) não é uma organização terrorista, (…) apesar de algumas das suas ações serem de carácter terrorista”.

O advogado foi morto depois de uma conferência de imprensa no bairro de Sur, palco de confrontos frequentes entre a polícia e jovens próximos do Partido dos Trabalhadores do Curdistão.

Antes de ter sido atingido na nuca pela bala que o matou, Tahir Elçi tinha concluído a sua participação na conferência com as palavras “não queremos combates, nem armas de fogo, nem operações policiais neste lugar histórico”.

KONFERANS DUYURUSU
Konferansa; tüm hukukçuları bekliyoruz.
Avukat,hakim,savcı,öğretim görevlisi,hukuk öğrencisi. pic.twitter.com/MScHRSxF8E

— Tahir Elçi (@tahirelci) November 27, 2015

O tiroteio começou quando homens não identificados abriram fogo sobre os agentes da polícia próximo do local onde se encontrava o conhecido defensor da causa curda. Na toca de tiros morreu também um polícia e um jornalista, e um segundo polícia faleceu em consequência dos ferimentos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Turquia: Assassínio de advogado pró-curdo inflama protestos contra o governo

Mais de 40 ativistas LGBTQ detidos em Istambul

Geórgia numa encruzilhada à medida que lei da influência estrangeira aprofunda divisões